Confirmando as declarações do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) finalmente deve sair do papel. O acordo entre o governo e as empresas responsáveis pela conexão deve ser assinado ainda nesta semana e será publicado em uma edição do Diário Oficial da União. O plano deve começar a ser vendido em 90 dias, ainda segundo Bernardo.

As operadoras Oi e Telefônica foram as duas únicas a aceitar o contrato até agora, que define a mensalidade de R$ 35 por uma conexão de 1 Mbps e um limite mensal de download de 300MB. O acordo saiu com atraso e ainda não foi totalmente discutido. A demora foi provocada principalmente após a divulgação de que as metas iniciais do PNBL não seriam cumpridas, fato que desagradou à presidente Dilma Rousseff.

Outro obstáculo foi a série de exigências feitas por Dilma, como a aplicação de multas pela Anatel em caso de desrespeito ao contrato, por exemplo. Até outubro, outro assunto similar também deve ser discutido: a nova regulamentação que limita a qualidade mínima para a internet brasileira móvel ou fixa.