A cada ano, a NVIDIA lança uma série de novos chips gráficos. Essa atualização realizada em um ciclo constante serve para garantir a compatibilidade com as mais recentes tecnologias para a execução de games.

Além das modificações para execução das APIs, cada nova geração, geralmente, traz algumas alterações na arquitetura, o que implica em mudanças no hardware e, por consequência, nas especificações.

Há algum tempo, publicamos esta tabela comparativa para que você possa fazer consultas rápidas e encontrar os detalhes sobre os principais chips gráficos da NVIDIA. Conforme prometemos, estamos atualizando as informações com a adição dos mais recentes modelos e a alteração de algumas especificações. Confira o que mudou:

Atualização 2014

Este ano, a NVIDIA lançou mais uma série de placas de vídeo, portanto nós atualizamos o artigo com as especificações dos modelos mais recentes. Por ora, somente os modelos top de linha (GTX 980 e GTX 970), bem como as versões para notebooks desses chips, foram liberados.

Novamente, deixamos esclarecido que no próximo ano atualizaremos o artigo novamente com os demais chips da série GTX 900 que serão liberados em breve. Além dessas novidades, adicionamos os detalhes das placas de vídeo mais avançadas da linha GTX 700 (TITAN, TITAN Black e TITAN Z).

Uma grande mudança que fizemos foi na estrutura das tabelas. No topo do artigo, você pode conferir as principais informaçõs sobre as GPUs mais robustas. Abaixo, disponibilizamos as informações sobres os principais chips gráficos de gerações anteriores.

O que significa cada coisa

  • Core clock: indica a frequência de operação do chip gráfico. Quanto maior for o clock, mais operações são realizadas num mesmo instante, o que implica no aumento do desempenho geral da placa de vídeo;
  • Boost: frequência máxima na qual a GPU pode atuar. Só é aplicável aos chips que possuem a tecnologia GPU Boost. Quando o processador gráfico percebe que é preciso mais poder de processamento, o clock da GPU é aumentado automaticamente;
  • Clock da memória: frequência de operação da memória;
  • Interface: quantidade de bits que podem trafegar simultaneamente pelo barramento da memória;
  • Largura de banda: quantidade máxima em GB que a memória da placa gráfica consegue ler ou armazenar em cada segundo.
  • Núcleos CUDA: processadores gráficos programáveis que trabalham com a linguagem CUDA. Esses processadores são núcleos que servem tanto para o processamento gráfico quanto para trabalhar com computação paralela;
  • DirectX / OpenGL: principais APIs para a execução dos jogos;
  • Shader: versão do software que trabalha diretamente no tratamento dos pixels e dos vértices.

Você pode conferir a mesma lista para os chips da AMD clicando neste link. Para aprender mais sobre o assunto não deixe de dar uma olhada em nossos outros artigos com informações quentes sobre placas de vídeo e games: