Nova lei proíbe também que modelos abaixo do peso sejam usadas em peças publicitárias (Fonte da imagem: iStock)

Com o objetivo de combater distúrbios alimentares como a anorexia, uma lei aprovada na última segunda-feira (19), em Israel, proibiu o uso de fotografias de modelos abaixo do peso em peças publicitárias. Além disso, a nova regra estipula que revistas ou agências que retocarem as imagens de suas modelos digitalmente precisam deixar isso claro para o consumidor.

Em entrevista para a CNET, um dos responsáveis pelo projeto, Liad Gil-Har, explicou que o objetivo é “quebrar a ilusão de que a modelo que estamos vendo é real”. Os que apoiam a medida acreditam que esse tipo de iniciativa ajudará a reduzir a taxa de distúrbios alimentares. Nos países desenvolvidos, como Israel e os Estados Unidos, transtornos como esses atingem de 2 a 3% das adolescentes.

Apesar de a primeira parte da lei ser muito clara, chegando a exigir declarações médicas que atestam a saúde da modelo que posou para o anúncio, o caso das imagens “photoshopadas” ainda causa dúvidas. Como não há uma definição rígida de quais edições serão consideradas crime, as empresas não sabem se retoques leves, como alteração das bochechas ou sombras dos olhos, também serão enquadradas como obrigatórias.