Aparentemente, a Nintendo não poderia ligar menos para a opinião pública quando se trata de cuidar de seus negócios e impedir que se aproveitem de suas propriedades intelectuais sem utilizar os canais oficiais – ou, claro, sem pagar uma graninha pelo “empréstimo” do material. Depois de tirar do ar vídeos do YouTube com suas obras e acabar com uma festinha regada a pokémons, a vítima da vez é o animador Mark Haynes, que foi intimado pela Big N por conta de seu Super Mario Bros. Z.

Trabalhando há anos em episódios que transferem Mario, Luigi e outros convidados para uma produção ao velho estilo de Dragon Ball, o artista teve sua página no Patreon retirada do ar depois de uma ação de violação de direitos autorais por parte da companhia japonesa. No site, Haynes recebia de seus fãs suporte na forma de alguns milhares de dólares para viabilizar a criação de novos capítulos da saga de ação repleta de efeitos especiais – com todo material sendo disponibilizado gratuitamente em seu canal no YouTube.

Mostrando que não pretende desistir tão facilmente de seu projeto – que faz dez anos no próximo dia 22 de abril –, o internauta criou um novo perfil na plataforma de apadrinhamento e comentou no Twitter que as medidas tomadas pela Nintendo não vai atrapalhar a liberação de novos capítulos da empreitada. No Twitter, o rapaz afirmou ainda que, mesmo que a sua conta atual for banida, basta “encontrar uma alternativa” para viabilizar as doações. Até o momento, os patrões já desembolsaram mais de US$ 2 mil (cerca de R$ 8 mil) para o animador.

E aí, já conhecia a obra de Haynes? Caso ainda não tenha visto o trabalho do moço, basta clicar em play no início da matéria e conferir a abertura épica de Super Mario Bros. Z – que não fica devendo nada às introduções de animações japonesas que se veem por aí.

Você acha que a Nintendo vai apoiar projetos da comunidade algum dia? Comente no Fórum do TecMundo!