A Netflix quer dominar o mundo — no bom sentido, é claro. Mas, para isso, é necessário sempre renovar o produto e trazer novidades ao público, e não focar apenas em estratégias de marketing. Por isso, durante a MWC 2016, a companhia disse que o foco para 2016 está na parte mais importante da plataforma: o conteúdo.

Isso significa que vamos ver um investimento maior em filmes e seriados originais — uma ótima notícia, já que muitos deles fazem um sucesso grande, como Demolidor, Jessica Jones, Orange is The New Black, House of Cards etc. Além disso, consumidor pode esperar uma melhoria nos aplicativos para Android e iOS e o suporte para programação HDR (high dynamic range).

Você sabe o que é o HDR? Grande Alcance Dinâmico, em tradução literal, é um processo que diz respeito ao uso de uma gama de valores mais extensa para diferenciar as áreas claras e escuras de uma imagem. Para entender tudo sobre isso, acesse a nossa matéria que vai lhe explicar detalhadamente

Chris Jaffe, vice-presidente de inovação de IU na Netflix, comentou ao Engadget o seguinte: "Nós começamos a explorar o conteúdo HDR há cerca de um ano. É obviamente a próxima resolução na experiência de reprodução". Para dar uma olhada em como é a tecnologia HDR, você pode assistir à primeira temporada de Marco Polo ou aguardar a segunda temporada de Demolidor.

O principal problema de conteúdos HRD e 4K (Ultra HD) é a largura de banda exigida para você assistir sem qualquer engasgo. Mesmo com a Netflix trabalhando em vários algoritmos de compressão, a companhia diz que você precisa ter uma conexão com velocidade entre 16-20 Mbps para uma experiência razoável. A ideia é que 2016 seja fechado com mais de 300 horas de filmes e seriados em Ultra HD.

Conteúdo original e 4G

Se você tem uma conta na Netflix, provavelmente já assistiu a algum conteúdo original da plataforma. Hoje, além de seriados, já são mais de 10 filmes, documentários e muito conteúdo exclusivo para crianças.

Para 2016, a ideia é lançar mais 30 shows (filmes e seriados) originais — incluindo sequências já consagradas e novos títulos. Para isso rolar sem problemas em smartphones e tablets, quem não usa o WiFi vai ganhar um recurso benéfico para a conta: a capacidade de gerenciar o uso de dados. Vai ser possível, por exemplo, limitar a qualidade de vídeo em um ponto.

Você é assinante da Netflix? Comente no Fórum do TecMundo