(Fonte da imagem: Reprodução/Tech Week Europe)

Mal Brendan Eich começou a exercer seu novo cargo na Mozilla e já temos uma enorme polêmica surgindo. Isso porque ontem (27) tivemos vários empregados da empresa twittando mensagens em protesto ao CEO. “Eu sou um empregado da Mozilla e estou pedindo que Brendan Eich deixe o cargo como CEO”, disseram vários deles, entre outros comentários semelhantes.

A ação teve início com Chris McAvoy, líder do projeto Open Badges da Mozilla. Originalmente, ele teria antes comentado: “Eu amo a Mozilla, mas estou desapontado esta semana”; pouco depois, ele teria mandado o fatídico tweet mencionado anteriormente – um ato que foi seguido por outros funcionários pouco depois.

Mas o que o presidente da empresa teria feito de tão ruim para receber uma resposta tão grande em um espaço de tempo tão curto? A culpa, segundo o ArsTechnica, vem de ações anteriores de Eich: ele teria doado milhares de dólares para apoiar a Proposition 8 – uma lei que proibiria o casamento gay no estado da Califórnia – e os candidatos políticos envolvidos na proposta.

 

Protesto sem consequências

Se isso vai virar um problema gigante dentro da empresa? Pelo visto, é pouco provável. Como dito por McAvoy, uma das vantagens de se trabalhar na Mozilla é que “eu posso falar isso sem medo de retaliação”.

Ao mesmo tempo, Mark Surmam (diretor-executivo da companhia) teria feito um comentário semelhante sobre a situação, de acordo com o TheNextWeb:

“Nossa cultura de franqueza se estende a deixar nossa equipe e comunidade ser sincera quanto a suas vistas da direção da Mozilla. Nós estamos orgulhosos dessa inclusão e como ela distingue a Mozilla da maioria das organizações. Nós esperamos e encorajamos os mozillianos a falar quando eles discordam das decisões da gerência, e cuidadosamente pesamos todas as entradas para garantir que nossas ações estão avançando a missão do projeto”.

Agora, será que isso vai ter algum efeito quanto ao cargo de Brendan Eich na Mozilla? Infelizmente, parece que teremos que esperar alguma declaração oficial sobre o assunto.

[Atualização]

Em seu blog oficial, Brendan Eich comentou o assunto. O CEO da Mozilla afirmou que conhece as preocupações sobre suas iniciativas em promover a igualdade, mas espera que as dúvidas acabem com a divulgação de um compromisso, e também com ações e resultados.

Segundo o texto, Eich afirma ter um compromisso ativo para a igualdade em tudo o que a Mozilla faz, e ele pretende trabalhar com a comunidade LGBT para ouvir e aprender o que faz e o que não faz da Mozilla uma empresa solidária e acolhedora.

Ele também terá um compromisso contínuo com as “Diretrizes de Participação Comunitária” e com as políticas de anti-discriminação. Além disso, o CEO se compromete pessoalmente a trabalhar em novas iniciativas para “alcançar aqueles que se sentem excluídos, ou que tenham sido marginalizados de alguma maneira”.

“Estou empenhado em garantir que a Mozilla é, e continuará sendo, um lugar que inclui e apoia todos, independentemente da orientação sexual, identidade de gênero, idade, raça, etnia, condição econômica ou religião”, afirmou Eich.

Ele também reconhece que alguns ficarão céticos quanto a essas iniciativas, e que suas palavras por si só não vão mudar nada, mas ele pede o apoio dos “mozillianos”, dando tempo para que ele possa mostrar na prática o que está falando. Eich também expressou sua tristeza por ter causado dor.