medicina vem elaborando técnicas de transplante e transporte de órgãos para melhorar a eficiência do procedimento, mas ainda é preciso muita agilidade para retirar o órgão do doador e colocá-lo do receptor. Para dar mais folga a esse processo, pesquisadores da Universidade Vanderbilt, nos EUA, estão trabalhando em um tecido capilar capaz de permitir o fluxo sanguíneo e, com isso, manter os órgãos vivos por mais tempo.

Essencialmente, eles estão desenvolvendo um tecido que imita partes do corpo humano e possibilitaria manter os órgãos transplantados saudáveis e “ligados” a uma corrente sanguínea durante o transporte. Isso está sendo feito basicamente com uma máquina de algodão doce e gelatina.

Primeiro, um bocado de algodão doce é feito na máquina e, em seguida, é banhado em gelatina sem sabor. Com uma mudança de PH, o algodão se dissolve, mas a gelatina mantém a estrutura estável. Dentro dela, tubinhos tão finos quanto os vasos sanguíneos humanos são formados quando o algodão desaparece. Assim, é possível manter um fluxo de sangue nessas microcavidades.

A pesquisa ainda está em um estágio bastante inicial, comandada por Leon Bellan, mas acredita-se que isso pode evoluir muito em breve para ajudar no transporte de órgãos transplantados. Em um futuro ainda distante, talvez seja possível até criar “tecido humano” artificial do zero.

Você acredita que a tecnologia vai alterar tudo o que sabemos sobre medicina? Comente no Fórum do TecMundo