A equipe do professor Oliver Schmidt, de Dresden, na Alemanha, está desenvolvendo um método que pode ser um dos mais eficazes tratamentos contra a infertilidade masculina.

A técnica envolve usar nanorrobôs em forma de espiral chamados de Spermbots, que "se acoplam" a espermatozoides e os levam ao destino correto na fecundação — ou seja, o óvulo. Acontece que um dos casos mais comuns de infertilidade é justamente a baixa mobilidade dos espermatozoides, e a equipe alega que essa "ajudinha" não seria prejudicial para a formação de um feto saudável.

A pequena espiral metálica é controlada por um campo magnético rotativo e sai sozinha do espermatozoide no momento da fecundação bem-sucedida. A ideia é que o procedimento seja mais barato e tenha uma taxa de sucesso maior que a da inseminação artificial.

Por enquanto, a pesquisa só foi publicada em forma de artigo no periódico Nano Letters. Ao menos no laboratório e ainda sem utilizar corpos humanos (mas sim um ambiente controlado em uma placa de Petri), os testes foram um sucesso.