Gamers provam que podem ser mais precisos que médicos em cirurgias robotizadas

A pesquisa leva a crer que jogar video games todos os dias pode proporcionar aos profissionais da saúde mais habilidades durante os procedimentos cirúrgicos.
  • Visualizações4.707 visualizações
Por Mayra Vendramim em 19 de Novembro de 2012

Você já deve ter cansado de ouvir a máxima: “Saia desse console garoto, pois você está perdendo sua vida em frente a esse video game!”. Eis que um estudo da University of Texas Medical Branch (UTMB) conseguiu levantar informações suficientes para provar justamente o contrário: video games podem realmente afiar seu desempenho profissional.

A pesquisa realizada pela UTMB provou que quem joga video games com frequência consegue desenvolver uma relação entre a coordenação dos olhos e dos movimentos das mãos muito mais apurada do que as pessoas que não têm contato com os consoles. Essas mesmas habilidades são idênticas às que são necessárias para controlar com perfeição as ferramentas robóticas de cirurgias mais avançadas do mundo.

O professor Sami Kilic, que liderou o estudo, apontou que uma nova era acaba de começar. O cientista se inspirou para realizar a pesquisa ao ver seu filho mais novo assumir com facilidade o controle de uma cirurgia robótica simulada durante uma convenção médica. “A robotização de cirurgias é um advento muito recente no mundo médico, e a grande maioria dos profissionais ainda não foi treinada para isso”, afirma o professor Kilic.

Os testes realizados com alunos de ensino médio mostraram que os jogadores que mantinham uma média de duas horas diárias de jogatina tiveram desempenho igual ou até superior aos cirurgiões residentes. É claro que a precisão dos testes se inverteu quando ambos os grupos foram submetidos ao teste inverso, contando apenas com o uso das mãos sem o auxílio robótico.

Então, se você não tinha objetivo para jogar video game, não precisa se preocupar mais: você pode vir a se tornar um grande cirurgião!

Via BJ

Fonte: PopSci, ArsTechnica



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!