Deep web: o lado obscuro da internet

Há mais mistérios na rede mundial de computadores do que as nossas pesquisas são capazes de encontrar.
  • Visualizações202.510 visualizações
Por Wikerson Landim em 23 de Novembro de 2011

Deep web: o lado obscuro da internet

É possível encontrar qualquer tipo de conteúdo na internet. Você já deve ter se dado conta disso ao pesquisar termos e assuntos que pareciam irrelevantes, mas que geram dezenas de páginas como resultado de busca.

Entretanto, o que talvez você não saiba é que existe uma internet invisível, com milhares de sites e páginas de conteúdo, mas que você jamais conseguirá acessar. Calma, não se trata de nenhuma teoria da conspiração ou de conteúdo secreto mantido pela CIA ou pela KGB e o seu funcionamento é bem mais simples do que parece.

A internet que não estava lá

Deep web: o lado obscuro da internet

O termo “deep web” é atribuído a Michael K. Bergman, CEO e cofundador da Structured Dynamics LLC. Ele se refere a todo aquele conteúdo que não pode ser indexado pelos sites de busca e, dessa forma, não está disponível diretamente para quem navega na internet.

Ao criar um site ou blog, o editor do conteúdo pode definir nas configurações se deseja ou não que o site seja indexado nos mecanismos de busca, habilitando as funções “follow” e “nofollow”. Caso opte pela segunda, quando os robôs dos mecanismos de busca vasculham a web em busca de conteúdo, ao passar pelo seu site eles encontrarão a mensagem para que o buscador “não siga” as páginas disponíveis.

O resultado disso são milhares de sites que nunca ganharam as páginas dos buscadores, um conteúdo secreto e invisível que sempre esteve ali, mas que dificilmente um dia será visualizado por você. Esse verdadeiro mundo de informações talvez nunca seja lido por quem realmente poderia aproveitar a informação.

Quantidade e qualidade?

Deep web: o lado obscuro da internet

Você deve ter ficado curioso e está se perguntando: afinal, que tipo de informação existe na internet invisível? A resposta é: de todo tipo. Entre os sites não indexados você pode encontrar desde blogs pessoais – os mais comuns, diga-se de passagem – até assuntos polêmicos em que os autores preferem não se identificar de forma alguma.

Pense na infinidade de contos, poesias, desenhos e até mesmo obras inteiras inéditas que você poderia ler caso conseguisse acessar essas páginas ocultas. Embora seja possível afirmar que exista muito conteúdo de qualidade, há também um grande perigo, uma vez que a navegação anônima em sites ocultos pode liberar conteúdos ilegais bastante maléficos.

Pesquisas realizadas pela Universidade da California, no ano 2000, já apontavam que na época havia cerca de 7,5 mil terabytes de dados ao longo de mais 550 bilhões de documentos individuais indisponíveis para acesso via mecanismos de busca. Esses números cresceram exponencialmente na última década.

Se levarmos em consideração ainda os conteúdos protegidos por senhas, em fóruns e páginas internas de corporações, é possível afirmar que, em termos de quantidade, atualmente existe tanto conteúdo disponível abertamente quanto de maneira restrita.

O lado obscuro da rede

Infelizmente, não é apenas conteúdo inédito ou de qualidade que pode ser encontrado na internet invisível. Em meio a conteúdos ocultos, é possível encontrar também uma série de páginas que podem ser acessadas somente de forma anônima, sob o risco de o internauta cometer uma série de crimes e contravenções.

Há páginas com informações sobre compra e venda de drogas, uso de entorpecentes, venda de produtos roubados e contrabandeados e fotos eróticas proibidas, entre outras coisas que certamente você não vai ter interesse em ver. Um dos aplicativos mais utilizados por quem quer navegar dessa forma na rede é o Tor.

O Tor oferece uma plataforma, chamada de Onion, na qual os desenvolvedores podem construir novos aplicativos baseados no anonimato, segurança e privacidade. Sem poderem ser facilmente identificados ou localizar quem acessa as informações, a rede se torna um prato-cheio também para hackers, crackers e grupos mal-intencionados.

Desde 2001, a deep web recebe atenção especial por parte de órgãos investigadores em busca de pistas de crimes virtuais. Assim como a grande rede aberta, o lado oculto da internet também revela segredos nocivos que, se mal-utilizados, podem trazer sérios problemas para todos os envolvidos.

Atenção: acessar conteúdo disponível na deep web, em alguns casos, pode ser uma experiência perigosa e bastante desagradável. Informações que rapidamente seriam banidas na rede aberta circulam livremente na web invisível, como mercado negro de produtos roubados e contrabandeados, conteúdo erótico ilegal e tráfico de drogas. O Baixaki e o Tecmundo não recomendam, em hipótese alguma, o acesso a qualquer conteúdo do gênero.

.....

O tema deste artigo foi uma sugestão de pauta do leitor Fábio Marques Theophilo. Portanto, se você também gostaria de ver um assunto específico tratado aqui no Tecmundo, não deixe de indicar as suas sugestões no espaço para comentários.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!