Como funciona o bafômetro? [infográfico]

Entenda o funcionamento de um dos maiores aliados na luta contra o álcool no trânsito brasileiro.
  • Visualizações74.891 visualizações
Por Renan Hamann em 8 de Maio de 2012

“Que é isso, seu guarda? Eu não bebi nada!”. Poupe essas palavras, pois não adianta jurar ou implorar. Se os policiais de trânsito suspeitarem que você ingeriu bebidas alcoólicas, eles vão pedir para que você passe pelo bafômetro. “E se eu me recusar a passar por ele?” Nesse caso, o Código de Trânsito Brasileiro determina o seguinte: “retenção do veículo até a apresentação de condutor habilitado e recolhimento do documento de habilitação” (artigo 165 do CTB).

Mas por que o bafômetro é tão importante? Explicando de uma maneira bem resumida, ele é o mecanismo mais rápido para identificar a concentração de álcool no sangue dos motoristas. Como você deve saber, dirigir sob efeito de álcool é mais do que uma infração gravíssima: é também um crime de trânsito, que em alguns casos pode também ser punido com reclusão.

Influência do álcool no trânsito

Segundo um artigo publicado no site do Departamento Nacional de Trânsito, todos os anos cerca de 1,2 milhão de pessoas morrem em decorrência de acidentes de trânsito em todo o mundo. Grande parte dessas mortes poderia ter sido evitada, caso os motoristas não tivessem ingerido qualquer quantidade de bebidas alcoólicas.

Como funciona o bafômetro? [infográfico]É melhor deixar o carro em casa. (Fonte da imagem: Thinkstock)

Somente no Brasil, são 19,9 mil pessoas feridas e 26 mil mortas em acidentes de trânsito causados por pessoas alcoolizadas. Segundo o Departamento de Trânsito do Estado do Paraná, isso significa 50% das mortes no trânsito brasileiro – ano após ano. A mesma fonte ainda mostra algumas das principais influências negativas do álcool sobre o motorista:

  • Exige mais tempo de reação para que os motoristas escapem de acidentes;
  • Diminui a capacidade de desviar a atenção para pontos mais relevantes (fixação);
  • Limita a percepção dos motoristas.

De onde surgiu o bafômetro?

Quem pensa que a ideia é recente está enganado. Em 1954, um médico do Departamento de Polícia de Indiana (Estados Unidos) desenvolveu um aparelho que seria capaz de identificar a concentração de álcool no sangue por meio da análise do ar presente nos pulmões. Na época, o mecanismo era menos sofisticado, mas já mostrava alguns resultados bastante convincentes.

Como funciona o bafômetro? [infográfico]Criador e criatura. (Fonte da imagem: Reprodução/When it was Invented?)

Em vez de sistemas eletrônicos, os bafômetros do doutor Robert Borkenstein realizavam misturas químicas com várias soluções, sendo que a concentração alcoólica era revelada pela análise da cor do líquido gerado na reação – e não mostrada em um visor eletrônico, como acontece atualmente.

O álcool está nos pulmões

Antes de dizer como funciona o bafômetro, é bom entender que o nome dele está bem errado. O que é analisado não é o hálito do suspeito, mas sim o ar que está nos pulmões dele. “Mas como é que o álcool foi parar lá?” O álcool ingerido é absorvido pelo estômago e levado até a corrente sanguínea muito rapidamente.

Como o sangue passa pelos pulmões, o oxigênio presente neles acaba sendo “contaminado” pelo álcool ingerido. Todo esse processo acontece em pouco tempo e a concentração de álcool acaba sendo a mesma no sangue e nos pulmões. E é por essa razão que o teste do bafômetro é tão confiável.

Como funciona?

Assim que o policial identifica o motorista como um possível alcoolizado, o teste do bafômetro pode ser exigido. Nesse caso, o suspeito deve soprar uma determinada quantidade de ar em um canudo descartável para dentro do equipamento. As moléculas de oxigênio e álcool entram em contato com uma “célula combustível”, que geralmente é composta de platina.

Como funciona o bafômetro? [infográfico] (Fonte da imagem: ShutterStock)

A célula combustível ganha esse nome porque a reação entre a platina e o álcool gera uma combustão incompleta, separando os diversos elementos existentes. Essa reação gera ácido acético, íons de hidrogênio e – o principal para o bafômetro eletrônico – elétrons. Quanto mais álcool estiver presente no ar, maior a quantidade de elétrons gerados.

Esses elétrons saem da célula combustível e geram uma corrente elétrica em um fio condutor bastante sensível. Logo em seguida, a corrente elétrica é identificada por um microchip, que desempenha o papel de traduzir a “quantidade de energia” em “concentração de álcool”. O resultado já convertido é mostrado no visor do bafômetro.

.....

Como você pode ver, a utilização do bafômetro possui muita relevância científica. Infelizmente, o aparelho é cada vez mais necessário, pois os motoristas continuam ingerindo bebidas alcoólicas antes de dirigir. Lembre-se sempre dos riscos acarretados pela mistura entre álcool e direção e fique feliz ao entender exatamente os motivos para o bafômetro acusar “concentração zero” quando for submetido aos testes.

Fontes: Breathalyzer.Org, How Stuff Works, DENATRAN, Código de Trânsito Brasileiro, DETRAN/Pr e Química e Sociedade



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!





Shopping Tecmundo