Cabos HDMI: faz diferença comprar um modelo de 150 e um de 30 reais?

Vale a pena economizar na compra de cabos HDMI, ou o barato pode sair caro?
  • Visualizações346.160 visualizações
Por Elaine Martins em 14 de Outubro de 2009

Com a rápida evolução que os aparelhos eletrônicos sofreram nos últimos anos, foi natural o aparecimento de novos padrões para transmissão de áudio e vídeo, como o HDMI. Acrônimo para High-Definition Multimidia Interface (Interface Multimídia de Alta Definição), este sistema de conexão de alta tecnologia é capaz de transmitir vídeo e áudio por meio de um único cabo, bem diferente dos cabos de vídeo componente, por exemplo.

As diferentes marcas de cabos HDMI presentes no mercado deixam os usuários em dúvida sobre qual comprar. Normalmente diz-se que as mais caras são as melhores e que às vezes o barato pode sair caro. Será que isto acontece mesmo? Faz mesmo tanta diferença comprar um cabo de R$ 150,00 ao invés de um que custa R$ 30,00?

HDMI

Se você ficou curioso para saber a resposta às perguntas acima, acompanhe abaixo o que dizem os estudos relativos a este assunto e também o que comprovam algumas experiências realizadas em laboratórios. É hora de esclarecer mais esta dúvida dos usuários!

O MAIS CARO OU O MAIS BARATO?

Na hora de comprar um cabo HDMI muitos usuários ficam em dúvida se levam o mais barato ou se vale mais a pena investir e comprar um com preço mais levado - normalmente entre os melhores.

Diversos testes já foram realizados pelas mais variadas empresas, na tentativa de descobrir qual é, de fato, o melhor HDMI presente no mercado. Se não em todos, na grande maioria dos resultados apresentados, a conclusão é a mesma: para pequenas distâncias – de dois a dez metros – não há diferenças notáveis entre os cabos mais baratos e os caros.

Transmissão digital: tudo binário.Pensando em como os cabos HDMI funcionam, os resultados fazem todo o sentido. Este tipo de cabo foi criado para a transmissão de sinal digital, ou seja, os dados que passam por eles são binários (valores 0s e 1s).

Isto significa que: se o ruído – interferência – for aceitável, os dados são enviados pelo cabo, do contrário são perdidos. Quando se trata de imagem digital não existe o meio do caminho, ou você tem os bits transformados em imagem, ou não tem.

Então o que justifica a compra dos cabos mais caros?

Os cabos de valor mais elevado são, em sua maioria, feitos com material de primeira qualidade e isto garante que a vida útil deles seja maior do que a dos condutores mais baratos. Além disso, a qualidade superior do material também ajuda a diminuir a interferência no cabo, aumentando a probabilidade de que todos os bits sejam transmitidos e, consequentemente, de que não haja perda de imagem.

O PROBLEMA DA DISTÂNCIA

O número de defensores dos cabos HDMI mais baratos cai razoavelmente quando o assunto é transmissão de dados a distâncias superiores a quinze ou vinte metros. Quanto mais longo for o cabo, maior é a interferência sofrida e é nesta hora que muitas marcas acabam ficando para trás.

A ocorrência de perda de sinal é maior em cabos longos e, quanto maior o comprimento, maiores são as chances de o sinal não chegar à outra ponta. Para usuários comuns, isto não representa grandes problemas, pois a maioria instala os aparelhos eletrônicos a uma distância pequena.

Problemas com a distânciaNa verdade, as dores de cabeça ficaram para aquelas pessoas que trabalham com eventos e muitas vezes precisam puxar cabos por longas distâncias a fim de conectar dois aparelhos. No caso do HDMI, isto pode significar um problema dos grandes.

Cabos de rede são a solução

A solução encontrada para este impasse dos cabos HDMI com a distância foi utilizar cabos de rede no meio do caminho. Não, eu não escrevi errado, é isto mesmo que vocês leram: cabos de rede começaram a ser usados para transmitir dados provindos de uma conexão HDMI.

Isto só foi possível com o surgimento dos conversores HDMI/CAT5, os quais tornam possível a transmissão de dados dos cabos HDMI por meio dos cabos de rede (CAT5). O procedimento para esta façanha é bem simples.

O primeiro passo é conectar o aparelho HDMI (player de DVD, Blu-Ray, computador) a um conversor do tipo HDMI/CAT5, utilizando um cabo com não mais de dois metros, o que garante a qualidade do sinal que chega até o aparelho de conversão. O mesmo deve ser feito com o aparelho que ficará na outra extremidade. Para ligar os dois conversores, basta utilizar um cabo de rede comum, daqueles azuis que você encontra em qualquer loja de informática.

Infográfico mostrando a solução com cabos de rede.

 

Com isto é possível a transmissão de dados por longas distâncias sem que haja a perda de tantos bits, como aconteceria se fosse feito somente com o cabo HDMI.

CONCLUSÃO

Investir ou não investir?!Depois de tudo o que foi exposto acima, a conclusão à qual se pode chegar é: vale a pena investir em cabos HDMI mais caros nos casos em que a distância entre os aparelhos fique entre quinze e vinte metros. Para distâncias maiores, o melhor a fazer é utilizar o cabo de rede, como descrito acima, pois a interferência começa a ser maior e as chances do sinal não chegar à outra extremidade do cabo é maior.

Para conectar aparelhos que se encontram mais próximos não há necessidade de comprar cabos HDMI dos mais caros, pois não há diferença no resultado final da imagem.

SAIBA MAIS

Já que o assunto é cabos HDMI, que tal você ficar por dentro desta tecnologia?

As velocidades

Além de toda a inovação em qualidade de transmissão, os cabos HDMI também permitiam a troca de dados a uma velocidade superior daquelas existentes quando em seu lançamento, no ano de 2003. A primeira versão do HDMI, a 1.1, permitia a transmissão de dados a uma taxa de 4,95 Gbps (Gigabites por segundo).

Esta velocidade foi melhorada apenas dois anos mais tarde, quando surgiram os cabos HDMI 1.3, com surpreendentes 10,2 Gbps de velocidade para a transmissão de imagem. Espera-se que a próxima geração de cabos HDMI consiga chegar à velocidade de 14,93 Gbps, mas estes novos conectores ainda estão em fase de estudo.

Exemplo de cabo HDMI

1.2, 1.3... o que muda de uma versão para outra?

A primeira versão do HDMI, a 1.1, trouxe consigo a inovação na transmissão de áudio e vídeo e ainda oito canais de áudio para impressionar os usuários. Depois disso, a versão seguinte que traz maiores inovações é a 1.3, que passa a suportar frequências até 340 Mhz. Além disso, novos aparelhos também passaram a adotar o padrão HDMI, como câmeras de vídeo portáteis, eliminando problemas de sincronismo entre áudio e vídeo.

Se você ficou curioso quanto ao uso do HDMI e de como ele funciona, não deixe de conferir o artigo “O que é HDMI?”. Nele você encontra muito mais informações e detalhes sobre esta tecnologia inovadora.

Cabos HDMI: faz diferença comprar um modelo de 150 e um de 30 reais?

Mesmo que todos os testes realizados tenham dado o mesmo resultado, isto não significa que é uma verdade absoluta e inquestionável. A decisão em usar um cabo HDMI mais barato ou mais caro depende não apenas no poder aquisitivo da pessoa que está adquirindo como também das condições em que os aparelhos estão dispostos.

O fato de comprar um cabo HDMI dos mais caros também não dá a garantia de que tudo irá funcionar em absoluta perfeição. O uso dos conversores HDMI/CAT5 também pode trazer vários problemas pela má qualidade do aparelho ou do cabo de rede utilizados.

Por isso, caro usuário, não tome o que foi escrito acima como verdade absoluta. Caso tenha ocorrido com você uma situação diferente das descritas neste artigo, como a compra de cabos mais caros e problemas com eles em distâncias menores, não deixe de comentar. Compartilhar conhecimento e experiências é também uma forma de aprender!

 

Cabo HDMI



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!