Entenda sobre placas de som e saiba escolher a sua

Algumas informações básicas — porém essenciais — para você aprender.
  • Visualizações61.708 visualizações
Por Lucas Sfair em 3 de Fevereiro de 2009

Não é a toa que gerenciadores de músicas são o tipo de programa dos mais procurados pelos usuários aqui no Baixaki, assim como jukeboxes, players ou até mesmo sites que disponibilizam streaming gratuito; isso sem contar a infinidade de alternativas existente para gravação de áudio. Música, ou melhor, o próprio som em todas suas formas é essencial para qualquer ser humano, ou vai dizer que aquele silêncio na hora do almoço ou até mesmo entre uma roda de amigos não soa inconveniente?

Numa conversa de MSN, por exemplo, é comum a seguinte situação: alguém puxa o papo e logo fica sem assunto. "O que você está fazendo aí?", arrisca. "Ah, nada... só tou vendo meu Orkut e ouvindo música". Indentificou-se? É por isso que resolvemos falar um pouco sobre placas de som: porque ninguém suporta ouvir som chiado em caixinha velha!

Os computadores mais recentes costumam ter boas soluções on-board em suas motherboards (placas-mãe), funcionando sincronizadamente e usando a capacidade do processador e memória RAM para tratar de vídeo, som, modem e rede. Porém, existem também as placas de som off-board, que funcionam independentemente da placa mãe e, por isso, são separados, tendo sua própria forma de trabalhar. Essas geralmente tem um preço mais elevados do que aquelas.

Um exemplo de placa off-board

A portabilidade é uma virtude exclusiva dos modelos externos, visto que é possível desconectá-las e conectá-las em outra máquina facilmente. Portanto, onde quer que você vá poderá carregá-la e curtir um som da melhor qualidade.

A capacidade de uma placa de som é calculada pelo algarítmo denominado bitrate, também conhecido por profundidade de som, que mede a massa de dados que o dispositivo é capaz de processar. A escala vai de 16 a 30 bits, onde quanto maior seu valor, melhor a qualidade produzida. Isso poderá influenciar recursos como inserir filtros de áudio, otimizar músicas convertidas em .MP3, aplicar efeitos sonoros etc.

Quem trabalha com áudio em estúdio profissional, seja DJ ou músico em geral, deve procurar pelo maior bitrate possível (30). Porém se você é um admirar de sons e quer potencializar a qualidade para seus jogos ou até mesmo músicas, uma placa com mais de 23 em profundidade sonora está mais que suficiente!

Existem dois tipos de conectores de áudio. O S/PDIF é encontrado em muitas placas e aparelhos de som que permitem transmitir áudio em formato digital, dispensando a conversão digital > analógico > digital que fatalmente degrada a qualidade do som. Usando o S/PDIF é possível transferir sem perda. O conector P2 necessita 3 cabos P2 para montar uma conexão de áudio 5.1, enqanto uma única entrada S/PDIF compensa a mesma qualidade.

Conheça as principais fabricantes de placas e chipsets de som:



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!