Mito ou Verdade: gravar CDs e DVDs em velocidade máxima estraga a mídia?

Aceleeeera! Será que ao gravar CDs ou DVDs na velocidade mais alta corremos riscos? É este mito que o Baixaki vai desvendar em mais um artigo da série Mito ou verdade?.
  • Visualizações163.930 visualizações
Por Camila Camargo em 12 de Novembro de 2009

Histórias envolvendo gravação de CDs e DVDs não param de surgir. Sempre há um primo de um vizinho da sua tia que passou por maus bocados na hora de queimar um disco. E é exatamente por isso que os mitos envolvendo este assunto são muitos. Você já viu aqui no portal Baixaki alguns artigos relacionados a este tema como o “Colocar um DVD em leitor de CD estraga o drive?”, “Lavar uma mídia com água danifica os dados?”, “Fechar a bandeja de CDs empurrando-a pode estragá-la?” ou “Seu CD-ROM já explodiu?”.

Com uma boa conversa entre vários componentes da redação do Baixaki, Baixaki Jogos e Moderação, fomos à busca da resposta de mais um mito ou verdade que assola todas as pessoas que gravam mídias em casa. Para começar, vários argumentos são válidos quando o assunto é gravar em velocidade máxima ou não. O primeiro diz respeito à capacidade da mídia.
O “X” é a resposta?

Se você reparar, praticamente todas as mídias vêm de fábrica com um número impresso. Este número varia de 1x até, aproximadamente, 52x e informa a velocidade máxima de gravação que aquele disco suporta. Desta forma, há quem diga que: “se a mídia suporta esta velocidade, certamente ela não sofrerá danos se a gravação for no máximo”.

Os

Isso faz todo o sentido e, certamente, é uma verdade. Desta forma, se sua mídia suporta 12x, por exemplo, e a gravação for até este valor – teoricamente – nada ocorrerá. O que pode acontecer com o decorrer do tempo é o desgaste maior das peças mecânicas do gravador, pois é exigido que a mídia rode com mais velocidade.Gravação de dados

O processo de gravação de um disco não é muito difícil de entender. Ele funciona como um ditado de palavras. Isso mesmo, você se lembra de quando sua professora ditava as lições de casa? O que você fazia? Memorizava por alguns instantes o que ela falava e escrevia logo em seguida.

Isso também acontece na gravação, pois o software armazena por alguns segundos as informações do HD ou mídia para reproduzir em outra. Este processo de armazenamento temporário é chamado de buffer. Agora, imagine sua professora ditando as palavras muito rápido, certamente você não conseguiria escrever todas e cometerá erros.

Gravar dados em velocidades baixas é mais garantido

A mesma coisa acontece no processo de gravação, pois se ele for feito na velocidade máxima o buffer terá pouco tempo para armazenar e enviar os arquivos temporários, desta forma a probabilidade de ocorrerem erros e perda de dados aumenta na mesma proporção da velocidade de gravação. É claro que não realizar tarefas pesadas enquanto grava um disco é muito importante. Desta forma, usar o Photoshop ou programa similar aumenta ainda mais a probabilidade de erros de gravação.Velocidade e compatibilidade

Um fato interessante acerca deste tema é a compatibilidade de leitura dos dados gravados. O que pode acontecer se uma mídia for queimada em uma velocidade de 52x, por exemplo, é que os dados não sejam lidos em um leitor com capacidade máxima de 32x. Desta forma, a probabilidade de haver erros de leitura é muito maior ou quase certa.Quando a mídia pode estragar?

A midia pode estragarHá algumas situações que podem facilitar problemas com a mídia na hora gravação. Uma já foi citada - problemas com o buffer que não consegue armazenar os dados. Outra ocasião em que a mídia pode ser danificada é no caso de não ser respeitada sua velocidade máxima, ou seja, uma mídia que suporta 4x ser gravada em uma velocidade de 8x, por exemplo.

Quando eu posso gravar na velocidade máxima?

É fato que se a gravação na velocidade máxima danificasse o disco ou gravador, esta opção nem figuraria entre as alternativas de gravação. Desta forma, ela pode ser feita sem problemas quando a mídia gravada suporta grandes velocidades, o disco será lido no gravador em que foi queimado ou em reprodutores com velocidade compatível, por exemplo.O que é ideal?

Tome cuidado!

Depois de ver estes argumentos, você pode estar se perguntando: “como eu devo fazer para evitar problemas com minhas mídias?”. A primeira recomendação é comprar discos de boa qualidade e ter um hardware de gravação de qualidade, no mínimo, razoável.

Em segundo lugar, o ideal é gravar os discos na menor velocidade possível ou na média – nem muito lento, nem muito rápido -, pois as chances de haver corrompimento de dados na hora da gravação cai consideravelmente.

Além disso, forçar as partes mecânicas em todas as gravações também não é legal. Por mais que a queima seja mais rápida, é importante saber que a parte mecânica sofre mais desgastes. Isso acontece porque a rotação do disco é muito maior e, desta maneira a depreciação das peças se dá com mais rapidez.Conclusão

Ao avaliar os argumentos, chegamos a uma conclusão: se a única alternativa é gravar na velocidade máxima, vá em frente. Contudo, sempre que possível queime seus discos em valores médios ou baixos. Com esta opção as chances de haver problemas são bem menores. Obviamente, nada garante que gravações em velocidades baixas serão sempre bem sucedidas e nem o contrário. Mas, quando se fala em probabilidade de erros, a gravação rápida sai na frente. 

Conclusão

Conclusão

Conclusão

Sendo assim, chegamos a duas conclusões. A primeira é que gravar discos na velocidade mais alta pode sim estragar a mídia. A segunda é simples e muito popular, ou seja, neste caso também a pressa é inimiga da perfeição.

Este foi mais um artigo da série “Mito ou verdade” onde você encontra várias respostas para os maiores enigmas do mundo da informática e tecnologia.

Conclusão



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!