Pode adicionar “pele eletrônica” à longa lista de façanhas que o grafeno parece ser capaz de alcançar. Cientistas da Universidade de Monash afirmam ter conseguido usar o material para desenvolver sensores elásticos, que podem ser esticados e voltar à forma inicial sem sofrer deformações.

A novidade é um avanço e tanto para o mundo da tecnologia, diga-se de passagem. Afinal, a maioria dos sensores atuais costuma ser bastante frágil e pouco resistente a deformações. Com um material desses, por sua vez, seria possível adicionar sensores em superfícies frequentemente expostas a isso, como dobras das articulações de um robô.

Melhor do que a pele humana

Como se não fosse suficiente, a equipe explica, em seu artigo, que os sensores de grafeno desenvolvidos por eles são superiores à nossa própria pele, com relação à eficiência de detectar pressão ou vibração, bem como na velocidade de resposta.

O Dr. Ling Qiu, que participou do projeto, dá mais detalhes: “Este elastômero de grafeno é um material flexível e ultraleve que pode detectar pressões e vibrações através de uma larga banda de frequências. Ele excede em muito o alcance de resposta de nossa pele e tem um tempo de resposta muito rápido, muito mais rápido do que o dos polímeros de elastômero convencionais”.

Segundo os pesquisadores, o segredo por trás do elastômero criado por eles está em sua utilização de propriedades presentes apenas em materiais piezorresistivos, que são capazes de se deformar e voltar ao normal facilmente. A diferença é que, graças ao grafeno presente na “pele” desenvolvida por eles, ela consegue se regenerar com extrema velocidade – algo que era impossível para os materiais piezorresistivos comuns.

A pele artificial do futuro

Como você já deve imaginar pelo que falamos no início da matéria, essa tecnologia é extremamente versátil. Ela pode ter usos eficientes na criação de peles artificiais para membros robóticos, por exemplo – tanto para um robô-médico que possa analisar nossas condições quanto para uma prótese que devolva, para quem a usar, a capacidade de sentir.

“Embora nós normalmente nem consideremos isso, os sensores de pressão em nossa pele nos permitem fazer coisas como segurar um copo sem derrubá-lo, esmagá-lo ou derramar seu conteúdo. A sensitividade e o tempo de resposta do G-elastômero podem fazer uma mão prostética ou um robô ser ainda mais habilidoso do que um humano, enquanto a flexibilidade poderia permitir a nós criar a próxima geração de dispositivos eletrônicos flexíveis”, disse Qiu.

A má notícia é que, por enquanto, a equipe ainda está nos estágios iniciais do desenvolvimento dessa tecnologia, então deve demorar um bocado até vermos essa pele de grafeno surgir nos eletrônicos.

Que usos você consegue imaginar para uma pele artificial de grafeno? Comente no Fórum do TecMundo