Sabe aquela história de que, quando começa a chover, parece que todos os motoristas da cidade simplesmente desaprendem a dirigir? Até agora, isso também era um problema até para os carros da Google que se dirigem sozinhos.

No mais recente relatório divulgado pela empresa sobre as experiências com carros autônomos, está a informação de que a temporada de chuvas na Califórnia começou no final de dezembro, o que permite a realização de experiências com os veículos em situações de mau tempo. A partir de agora, os carros e o software embutido neles vão coletar dados sobre tipos de chuva, nevasca, neblina e outros fenômenos da natureza para deixar o automóvel ainda mais inteligente.

Como o software não fica tenso ou nervoso quando a água começa a cair, o problema fica na visibilidade. A Google explica que os sensores que ficam no teto do carro ganharam uma espécie de para-brisas em miniatura e, a partir do uso de lasers, são capazes de detectar objetos através de gotas de chuva e neblina tranquilamente — provavelmente melhor do que muitos motoristas humanos conseguiriam.

Os carros da Google estão aprendendo também a detectar a intensidade da tempestade para determinar se devem ser mais cautelosos na direção, por causa do piso escorregadio. Se o pé d'água for muito intenso, o veículo pode até procurar uma cobertura ou estacionar até que a chuva passe.

Até agora, os carros da Google já percorreram 2,20 milhões de quilômetros em testes no modo autônomo, com uma média semanal de 16 mil km em ruas públicas de Moutain View e Austin, na Califórnia e no Texas, respectivamente.

Você confiaria num carro autônomo? Comente no Fórum do TecMundo