Fotografias 3D que podem ser vistas sem o uso de óculos especiais

Você sabia que é possível enxergar imagens em três dimensões mesmo sem o uso de óculos especiais para isso? Conheça e veja exemplos de duas técnicas que permitem esse feito!
  • Visualizações76.721 visualizações
Por Ana Nemes em 2 de Setembro de 2011

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Existem muitas maneiras de criar e visualizar imagens em três dimensões. Os métodos mais conhecidos são os que necessitam do uso de óculos especiais, como naquelas imagens com partes azuis e vermelhas ou como se vê filmes no cinema, com lentes polarizadas.

Porém, nem sempre é preciso o uso desses acessório. Com a técnica correta, é possível fazer com que o nossos olhos criem a ilusão do 3D sem a ajuda de filtros, como as lentes coloridas ou polarizadas. Veja uma seleção de imagens que utilizam dois métodos diferentes para dar conseguir esse efeito.

GIFs animados 3D

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

O primeiro tipo de fotografia 3D para ser visto sem óculos especiais é, na verdade, uma montagem com as duas imagens que são utilizadas para a criação das imagens anáglifas (aquelas que são vistas com os óculos coloridos). Em vez de fazer a montagem a partir da sobreposição de imagens, cria-se um GIF com uma animação mostrando uma foto de cada vez rapidamente.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Com o tempo correto de intervalo entre as duas fotografias, é possível ter a impressão de enxergar em três dimensões mesmo sem o uso de óculos especiais! Essa ilusão é criada no nosso cérebro e é causada principalmente pela diferença que existe entre o primeiro plano e o fundo das duas fotografias.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Quanto mais elementos e planos existirem na foto, principalmente quando há sombras, mais o efeito será visível. Para conseguir capturar as imagens, o fotógrafo pode utilizar uma câmera 3D com duas lentes ou fotografar duas vezes com um intervalo de espaço no eixo vertical, como é feito para tirar fotos 3D normalmente.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Esses GIFs são chamados de stereo 3D ou GIFs animados 3D e podem ser encontrados por toda a internet, sendo que alguns são muito bem feitos e realmente impressionam pela qualidade e realismo do 3D.

Quanto menos diferença de enquadramento existir entre as duas fotografias melhor é o efeito 3D criado. Deste modo, câmeras com duas lentes são o equipamento mais indicado para esse tipo de foto, já que elas capturam o mesmo instante com a distância correta e sem diferenças significativas de enquadramento.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Porém, em alguns casos, o movimento se torna um charme, como no GIF acima, no qual se vê a menina se movendo no balanço. Isso faz com que, além da ilusão de otica do 3D, o observador consiga perceber um movimento linear na imagem.

Resultados experimentais

Esse tipo de GIF é usado bastante por fotógrafos mais alternativos que estão em busca de novos resultados experimentais para as suas imagens. É comum nesse casos a utilização de câmeras 3D compactas descartáveis para dar um efeito de filme antigo à fotografia, ou o uso de edição para modificar as cores e a saturação.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Fotografias de festas e shows ganham uma nova perspectiva quando fotografadas em três dimensões e, por isso, o uso de câmeras especiais para tal é bastante comum nessas situações. O resultado geralmente é uma imagem de pessoas se divertindo, pulando ou dançando que pode ser visto em um GIF animado.

Ampliar (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Imagens paralelas

O segundo tipo de imagem 3D para se ver sem a necessidade de óculos especiais requer um pouco mais de esforço para ser visualizado corretamente. Assim como o GIF animado 3D, nas imagens paralelas também são usadas as duas fotos batidas com uma câmera 3D.

Para ver o efeito, no entanto, é preciso cruzar os olhos para que o seu cérebro seja capaz de unir as duas fotografias e criar a ilusão na sua cabeça. Para isso, é preciso perder a classe e ficar um pouco vesgo por alguns instantes.

Cruze os olhos para ver o efeito 3D (Fonte da imagem: Flickr/achiappette)

Se você nunca tentou fazer isso, vá com calma! Aproxime o seu rosto do monitor até ficar a uma distância de aproximadamente dois palmos abertos da tela e fixe os olhos exatamente entre as duas imagens, bem no meio da composição.

Agora vem a parte que exige treino. Cruze os olhos das laterais em direção ao meio, devagar. Perceba que as imagens dos cantos “se movem” para o centro. Continue a fazer isso até que elas “se encontrem” no meio da imagem.

É preciso um pouco de treino para conseguir ver esse tipo de imagem (Fonte da imagem: Sascha Becher)

Quando as duas imagens estiverem perfeitamente alinhadas no seu olhar, o seu cérebro faz uma espécie de mágica. Na verdade, é pura ilusão, mas a impressão que se tem é a de que uma terceira imagem nítida apareceu entre as outras duas. Se você conseguiu fazer isso, mas a imagem ficou sem foco, aproxime-se ou afaste-se do monitor até encontrar um ponto de foco melhor.

É preciso um pouco de prática para conseguir fazer isso, porém quando você conseguir pela primeira vez verá que fica fácil com o passar do tempo. Assim que você consegue unir as imagens por meio dessa técnica, é possível olhar para outros pontos dela, não ficando com o olhar preso apenas no meio da foto.

Muitas imagens antigas foram criadas utilizando-se essa técnica de transformação e permitem um olhar mais apurado para o passado. Uma grande parte das fotos antigas em 3D que são encontradas na internet já caiu em domínio público e pertencem à Biblioteca do Congresso dos EUA (Library of Congress).

Imagens antigas com efeito 3D (Fonte da imagem: Domínio Público)

Só cuidado para não cansar a vista! Faça algumas tentativas, descanse a visão e tente novamente com cuidado. Apesar de não ser perigoso para os olhos, esse método de visualização é cansativo se for repetido por muito tempo. Veja mais GIFs e imagens paralelas na galeria a seguir:



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!