(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Nesta quarta-feira (19), o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, publicou um comunicado através da sua conta oficial em seu próprio site de que a sua empresa fechou a compra do aplicativo de mensagens WhatsApp por US$ 19 bilhões — valor esse que vai ser pago com dinheiro e também com ações.

Quando a compra for fechada e tudo estiver dentro dos parâmetros de um contrato, a equipe do WhatsApp deve trabalhar de maneira independente dentro do Facebook (de forma um tanto quanto parecida com o que acontece com o Instagram). Dessa maneira, o trabalho inicial da rede social vai ser o de ajudar o aplicativo de mensagens a “crescer e a conectar todo o mundo”.

(Fonte da imagem: Divulgação/Facebook)

Juntando diferentes ferramentas em uma só

Além de tudo isso, o WhatsApp vai complementar o chat já existente do Facebook, com o objetivo de criar novas ferramentas de comunicação. Sendo assim, a rede social vai ser utilizada para que você converse com todos os seus amigos — mesmo aqueles que não contam com um cadastro ativo no famoso site de Mark Zuckerberg.

Ainda segundo o que foi explicado pelo executivo, a intenção do Facebook é a de manter o mundo conectado, sendo que eles fazem isso construindo serviços que ajudem as pessoas a compartilharem conteúdo — o que justificaria a compra do WhatsApp, que já conta com 450 milhões de adeptos. Zuckerberg também se diz entusiasmado e agradecido pela oportunidade de trabalhar com a equipe do famoso aplicativo.

Atualização

O valor correto da aquisição é de US$ 19 bilhões, e não US$ 16 bilhões como havia sido informado anteriormente. Desse montante, US$ 4 bilhões serão pagos em dinheiro, US$ 12 bilhões serão pagos em ações do Facebook e outros US$ 3 bilhões serão repassados aos funcionários do WhatsApp em ações do Facebook ao longo dos próximos quatro anos.

Tudo sobre a compra do WhatsApp pelo Facebook você confere em nosso artigo especial com infográfico neste link.