(Fonte da imagem: Reprodução/Khalil Shreateh)

O palestino Khalil Shreateh, especialista em tecnologia da informação, encontrou uma brecha de segurança no Facebook que permitia a postagem de conteúdos no mural (a atual “Linha do tempo”) de qualquer membro da rede social, mesmo que as pessoas em questão não sejam suas amigas no site.

Até aí tudo bem: bem-intencionado, Khalil avisou o Facebook do problema, mas foi ignorado – a equipe de segurança não o levou a sério e disse que aquilo não era um bug. Frustrado, ele resolveu apelar: postou uma mensagem avisando sobre a falha no perfil de ninguém menos que do criador da rede social, Mark Zuckerberg. Ele ainda testou a falha em Sarah Goodin, amiga do CEO e primeira mulher cadastrada no serviço. Uma postagem no blog do rapaz explica todo o ocorrido.

A tática aparentemente deu certo, pois a falha teria sido corrigida minutos depois. Mas a história não tem um final feliz: quem avisa o Facebook sobre brechas na segurança normalmente é recompensado com até US$ 500 (pouco mais de R$ 1 mil), mas Khalil deve ficar sem o dinheiro. De acordo com a equipe do site, a descrição não tinha informações técnicas o suficiente – e a postagem forçada no mural de Zuckerberg violou os Termos de Serviço do site.