Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração]

Você dá mais atenção para o seu animal de estimação ou para os seus perfis no Facebook, Twitter, Instagram ou Orkut?
  • Visualizações28.679 visualizações
Por Fernando Daquino em 5 de Outubro de 2012

Sim, eu sou daquele tipo de pessoa que acorda, mal tira a ramela dos olhos e já corre para saber tudo o que está acontecendo no mundo – mais especificamente as fofocas, piadas, desabafos e fotos dos meus amigos e familiares. Não importa o quanto as publicações são ridículas ou infames, mas eu quero estar por dentro de tudo!

Eu não sei se vocês concordam comigo, mas as redes sociais são tão divertidas, informativas e descoladas que as adotei como meus animais de estimação. Hoje em dia, trato dos meus perfis como se eles fossem bichinhos fofuchos e que radiam alegria por onde passam. No Erro 404 desta semana, eu vou contar para vocês como os cinco "bichanos" que vivem lá em casa invadiram a minha vida.

Felino do momento

No início, não simpatizei com a raça felina Facebook. Sempre li no Tecmundo que ele era um animal muito admirado lá fora, mas pouco conhecido aqui no Brasil. Quando minha mãe permitiu que eu comprasse minha primeira rede social de estimação (naquela época eu ainda era um jovem padawan da internet), preferi outra espécie que era mais popular entre meus amigos.

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Com o tempo, esse gatuno ganhou uma fama enorme e começou a se espalhar também por terras tupiniquins. Como eu gosto de estar antenado, não resisti e acabei adquirindo o meu gato, o Feice. Os primeiros dias foram meio estranhos, admito.

Fui um dos primeiros a ter um Facebook e não estava acostumado com o temperamento (tente tirar a tigela de leite para ver o que as pequenas mas afiadas garras dele são capazes de fazer na sua pele) e a rotina de um felino.

Contudo, o seu jeitinho meigo e a sua disposição para novas brincadeiras me conquistou (ele sempre vem com novos “joguinhos”). Não que eu não dê atenção para meus outros animaizinhos, mas boa parte do meu dia é voltado para “curtir” o Feice.

Olhem para mim!

Além de acompanhar o que os outros estão fazendo, eu também gosto de aparecer. Ah, vai dizer que você não adora se exibir de vez em quando? Antes de me recriminar, abra os seus perfis e álbuns nos sites de relacionamento. Viu só?!

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Há cerca de dois anos, quando comprei um smartphone parcelado em 24 vezes sem juros no carnê (uma pechincha!), também me interessei por uma nova espécie chamada Instagram, um porquinho da índia todo pomposo e fofinho.

Não demorou para que eu descobrisse que, enchendo o porquinho de acessórios (como gravatinha, chapeuzinho e sapatinho), as pessoas ficavam querendo esmagá-lo – algo bem parecido com o que a personagem Felícia dos desenhos animados fazia com seus bichinhos.

Comecei a tirar fotos do porquinho da índia dormindo, correndo, brincando e comendo – as quais são as minhas favoritas. Como diria minha prima, A-D-O-R-O registrar as refeições dele. Para que as capturas fiquem ainda mais descoladas, eu costumo aplicar alguns filtros, deixando as imagens envelhecidas, com bordas ou preta e branca. Uma das coisas que me intrigou nos últimos dias foi a amizade que o pequeno roedor tem com o gato Feice.

Volta o cão arrependido...

A minha primeira rede de estimação foi o Orkut, um cachorro que rapidamente virou febre nacional. Por onde eu passava e com qualquer pessoa que eu conversasse, lá estava um cãozinho desse abanando o seu rabinho. Assim que meus amigos começaram a adotar essa raça, eu perturbei a minha mãe até que ela me desse um de presente.

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Nessa época, comprar um Orkut não era nada fácil, pois era preciso ter um convite especial – o que me obrigou a passar alguns dias de ansiedade. Ai, ai... Foram anos de convivência e diversão, principalmente explorando diversas comunidades próximas da minha casa. Todavia, assim como qualquer relação afetiva, com a chegada de outros animais nós fomos nos afastando aos poucos.

Hoje, ele é tratado pela minha mãe e por minhas tias – as quais adoram “emperiquitá-lo” com acessórios brilhantes e que piscam (às vezes, ele parece um painel eletrônico ambulante cheio de GIFs animados). Mesmo assim, esporadicamente eu ainda o levo para passear e nós relembramos os alegres tempos vindouros de outrora... Só um minuto, acho que caiu um cisco no meu olho.

O substituto

Na verdade, o Orkut está entrando em extinção. Até mesmo aqueles que preferem um cachorro como companheiro acabaram trocando essa raça por uma mais nova e forte, conhecida como Google+. Essa espécie ainda está crescendo e é difícil encontrar quem a tenha adotado.

Em geral, as pessoas veem esses cães e os acham bonitinhos e interessantes, mas não os levam para casa. A tendência é que, com o desinteresse que se acentua pelo velho e cansado Orkut, o animado e cheio de gás Google+ ganhe novos donos a cada dia.

Seguindo o passarinho

Eu sempre admirei os passarinhos por sua agilidade, capacidade de percorrer grandes distâncias em pouco tempo e esplendoroso canto. Repentinamente, tive vontade de ter um espécime desse em casa.

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Acessei uma loja online que comercializa pássaros com as devidas permissões do Ibama e encomendei um Twitter. Como eles tinham um exemplar disponível, fui direto para lá buscá-lo. Nossa! O seus pios curtos e dissonantes ecoam pela casa o dia inteiro. Muitas vezes é até difícil acompanhar tudo o que ele cantarola.

Nós tentamos criá-lo com mais liberdade, soltando-o da gaiola com frequência. Todavia, alguns inconvenientes sociais impossibilitaram isso – se é que você me entende. Acho que o relacionamento do bicudinho com o gato não é dos melhores, pois já tive que tirá-lo da boca do Feice inúmeras vezes.

Uma visão alternativa do mundo

Em uma bela tarde de domingo, eu navegava pela web no meu notebook sentado na cadeira que fica no jardim quando avistei um animal esquisitão perto do meu pé. Nesse exato momento, dei um pulo e arremessei meu laptop, que alcançou marcas dignas das Olimpíadas.

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Quanto ao grito que eu soltei... Bem, esse nós podemos deixar de lado. Alguns segundos depois, já recomposto do susto, percebi que se tratava de um Pinterest. Essa raça de iguana é considerada uma rede social de estimação alternativa: conhecida por poucos e, consequentemente, adotada por menos pessoas ainda.

Comecei a interagir com ele e logo percebi que sua “personalidade” era bem diferente dos demais animais que já conviviam comigo. Esse tipo de réptil não procura exposição e prefere ficar quietinho no seu canto. Pesquisei sobre essa espécie na internet e acabei encontrando muitas pessoas com os mesmos interesses que eu.

Eu estive aqui

A minha casa já estava parecendo um zoológico mesmo, então resolvi comprar mais uma rede social de estimação. Dessa vez, optei por adquirir um casal de Foursquares. A dupla de hamsters é hiperativa, só pode! A cada momento eles estão em um lugar diferente da casa.

Erro 404: minhas redes sociais de estimação [ilustração] (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

E é extremamente fácil descobrir se os roedores gorduchos estiveram em determinado local: basta olhar se eles fizeram o “check-in” com pequenas gotas de xixi – minha mãe é que não fica muito feliz com os passeios do casal.

.....

Atenção: este artigo faz parte do quadro "Erro 404", publicado semanalmente no Baixaki e Tecmundo com o objetivo de trazer um texto divertido aos leitores do site. Algumas das informações publicadas aqui são fictícias, ou seja, não correspondem à realidade — mesmo que alguns dos cuidados com as redes sociais pareçam estranhamente familiares.

Ilustrações: Aline Sentone



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!