Por causa da rápida proliferação de doenças transmitidas por mosquitos no país, o Brasil tem procurado formas de conter ou erradicar a multiplicação desses insetos e uma das alternativas que parece estar dando certo é a utilização da engenharia genética. Espécimes do Aedes aegypti, responsável pela transmissão tanto da dengue quanto do Zika vírus, têm sido desenvolvidos em laboratório para conter o crescimento populacional da espécie.

Os animais sofrem modificações através da “Técnica do Mosquito Estéril”, o que produz mosquitos machos que possuem um gene auto-limitador. Quando eles são liberados na natureza e acasalam com as fêmeas, suas proles não são mais capazes de se desenvolver e morrem logo após o nascimento. Isso garante o rápido decréscimo da população desses insetos em uma determinada área.

A técnica é bem menos prejudicial do que as usadas atualmente, como os carros de agências de saúde que passam nas ruas das cidades borrifando nuvens de inseticidas, o que também prejudica outras espécies. A engenharia genética pode ser utilizada no futuro para o controle populacional de outras variedades de insetos que também transmitem doenças, mas por enquanto o método ainda não deixa de ter o seu lado negativo.

No caso dos Aedes aegypti modificados, por exemplo, a quantidade deles deve ser muito superior a já existente na natureza para que a técnica dê certo, porque os animais que foram engenhados não sobrevivem muito tempo fora do laboratório. Eles precisam de doses constantes de tetraciclina apenas para não sucumbirem às próprias modificações que sofreram enquanto se desenvolvem até o estágio em que estão prontos para acasalar.

Mesmo com esse contratempo, a técnica tem mostrado resultados satisfatórios. Em Piracicaba, no interior de São Paulo, a esterilização de mosquitos através da engenharia genética diminuiu a população desses insetos na região em cerca de 80%. Se o método continuar a ser aplicado na área, as previsões são de que os transmissores do Zika vírus, da dengue e da febre chikungunya podem ser completamente eliminados da cidade em pouco tempo.

O que você acha da ideia de usar mosquitos modificados geneticamente para combater o vírus Zika? Comente no Fórum do TecMundo