Desde que os drones se tornaram extremamente difundidos, é comum ver esses aparelhos sendo usados para as mais variadas missões – na sua maioria, para tarefas radicais, perigosas ou simplesmente curiosas. Um projeto do MIT, no entanto, vem com o objetivo de usar os drones na arte, permitindo a esses autômatos a capacidade de imitar os traços feitos por um humano.

O Panto, como é chamado, segue um conceito bastante simples. Utilizando um drone cujo controle está ligado a um circuito de hackeamento especial, a equipe foi capaz de conectar os movimentos de uma caneta ao veículo através de um software especial. Assim, quando um humano a move, o Panto tenta acompanhar seu deslocamento.

É preciso notar que, atualmente, o veículo possui certas limitações: embora seja capaz de acompanhar linhas com certa precisão caso sejam feitas lentamente, o Panto é obrigado a utilizar seu sistema para compensar o trajeto se os traçados forem rápidos demais. Já o desenho em si é feito com a ajuda de um pincel atômico, preso na frente do robô.

Apesar disso, não há como negar que uma tecnologia dessas poderia ter usos muito interessantes – na criação de desenhos com precisão a grandes distâncias, por exemplo, ou mesmo em projetos que pedem uma escala maior do que uma pessoa só seria capaz de fazer. Resta esperar para ver se a tecnologia feita por eles vai chegar ao mercado.

Em que áreas você acha que os drones vão se tornar comuns no futuro?