O que é captcha?

Saiba o que significa, para que serve e como ele auxilia você a ter serviços melhores e com menos spams na web.
  • Visualizações36.026 visualizações
Por Wikerson Landim em 6 de Outubro de 2009

Você é uma pessoa de verdade? Navegando na web com certeza você já se deparou com alguma pergunta como essa ao tentar inserir um comentário ou cadastrar um login e senha em algum site. Embora a primeira vista a pergunta pareça estúpida, sua proposta faz todo o sentido em se tratando de segurança.

Perguntas como essa são um exemplo de captcha. O termo é um acrônimo para Completely Automated Public Turing Test to Tell Computers and Humans Apart ou, numa tradução direta, teste de Turing público completamente automatizado para diferenciação entre computadores e humanos.

E para que isso serve? Em linhas gerais, os captcha servem como uma ferramenta auxiliar para evitar spams ou mensagens disparadas por outros computadores ou robôs. A idéia é que a resposta os teste de captcha seja de solução impossível para um computador permitindo, assim, que somente seres humanos tenham acesso a determinados conteúdos ou possam enviar informações.

Entendendo como isso surgiu

Na década de 50 o matemático Allan Turing, em uma publicação chamada “Computing Machinery and Intelligence”, propôs um teste que tinha como objetivo identificar se um computador era inteligente ou não. 

Algorítimos por trás dos captchas: objetivo é fazer que os computadores não os reconheçam.


O método, que posteriormente ficou conhecido como Teste de Turing, consiste em uma conversa entre dois seres humanos e um computador. Todos eles são colocados em ambientes isolados. Se um mediador não conseguir identificar qual dos três é o computador então se diz que o computador foi aprovado no teste.

O sistema de captcha funciona como uma espécie de teste de Turing reverso, ou seja, a própria máquina propõe uma questão que, presumivelmente, somente um ser humano será capaz de responder corretamente. O termo foi designado no início desta década, na Universidade de Carnegie-Mellon.

Aplicações com captcha

Com o avanço da tecnologia é cada vez maior o desafio dos programadores para criarem sistemas eficientes de captchas. Um pergunta simples do tipo “você é uma pessoa de verdade” não se enquadra neste quesito, uma vez que ela presume uma resposta simples com duas possibilidades (sim ou não).

Exemplo de captcha do site Orkut

As captchas mais conhecidas são as imagens distorcidas de um código alfanumérico. Embora pareça mais simples criar um resultado “visual” que, certamente, será extremamente difícil para programadores quebrarem o seu código específico, soluções que se baseiam apenas neste recurso acabam não sendo consideradas eficientes em termos de acessibilidade.

Captcha do site Facebook

Elas impedem que um usuário cego, por exemplo, tenha acesso a determinado conteúdo ou mesmo pessoas com dificuldades de interpretação de textos. Pessoas daltônicas podem também não conseguir visualizar conteúdos expressados por diferenciação de cores, como o vermelho e o verde, por exemplo.

Captcha do site da Receita Federal

Outras medidas ineficientes, como criar uma série de captchas distintos como barreiras, também têm caído em desuso. Embora um pouco mais seguras, elas esbarram no desconforto para o usuário e, assim, novamente não são aprovadas nos quesitos de acessibilidade.

Algumas soluções encontradas foram a inclusão de uma opção em áudio, do mesmo código exibido, para que o usuário possa identificá-lo. Embora os sistemas tenham se aperfeiçoado ao longo dos anos, ainda não se chegou a uma forma ideal de identificação na web que não permita o reconhecimento a partir de programas de computador.

E você usuário do Baixaki, o que pensa disso? Embora os captchas sejam incômodos, eles existem para a sua segurança. Que outras opções podem surgir para diferenciação entre humanos e máquinas na rede? Deixe a sua opinião e participe.


 



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!