Como funciona o imposto em compras internacionais no Brasil?

Entenda quais são os impostos que você paga e quais são as justificativas para que existam tributações nas compras internacionais.
  • Visualizações195.022 visualizações
Por Wikerson Landim em 24 de Fevereiro de 2011

Compras no exterior: saiba quando vale a pena comprar

Superphones, tablets com processadores potentes e computadores com configurações de primeira linha. Os consumidores que estão acostumados a acompanhar os últimos lançamentos do mundo tecnológico no Baixaki, muitas vezes ficam desapontados por descobrirem que um determinado produto não será vendido no Brasil ou sequer tem previsão de chegar ao país.

A solução encontrada por muitos é recorrer às lojas internacionais que trabalham com entrega de produtos no Brasil. Embora os preços em dólar ou euro, somados com valores altos de frete, muitas vezes fiquem ainda abaixo dos praticados por muitos produtos vendidos por aqui, existe a probabilidade de sua compra ser tributada atendendo a um decreto do Ministério da Fazenda.

Contudo, muitos usuários, temerosos de pagar um valor que não sabem ao certo qual é sobre uma mercadoria, muitas vezes deixam de fazer as suas compras no exterior.

Embora exista a possibilidade de o produto entrar no país sem que você pague a tributação, entender quais são os impostos que incidem sobre as mercadorias é uma maneira de tornar sua compra mais segura, resultando num valor final que esteja dentro dos seu orçamento.

Por que pagamos impostos sobre importação?

O leão estã atento às compras internacionais

Antes que você imagine que pagar tributação sobre um produto importado é algo injusto, é importante analisar por qual razão impostos como esse existem. Basicamente, os impostos que incidem sobre as operações de importação visam proteger o mercado interno brasileiro.

Por exemplo, suponha que você queira comprar um aparelho de celular nos Estados Unidos. Embora o modelo específico recém-lançado por lá ainda não exista aqui, existem modelos similares, com menos recursos, mas que se enquadram na categoria celular, fabricados no Brasil.

Assim, caso todo mundo optasse por comprar apenas no exterior, os produtos brasileiros seriam deixados de lado, gerando prejuízos para os fabricantes nacionais, desaquecimento no mercado interno e, consequentemente, aumento no desemprego. Para que isso não ocorra, ou ao menos possa ser minimizado, o governo regula essas transações tributando os produtos. 

Sobre cada categoria de produto incidem impostos distintos. Os mais comuns, no caso das compras pela internet, são o II (Imposto de Importação), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Entendendo o Regime de Tributação Simplificado

Tributaçãoe um mecanismo de defesa do mercado interno

O sistema de tributação nas importações é regulado pelo RTS (Regime de Tributação Simplificada). Graças a esse Decreto-Lei (n° 1804/80), ao fazer compras no exterior cujo valor seja inferior a US$ 500, é aplicado sobre o produto uma alíquota única sobre a mercadoria.

Na prática, o que isso significa? Simples. Some o valor do produto que você comprou com o valor do frete. O percentual da tributação sobre a encomenda é de 60%. Um exemplo: um celular que custe US$ 250 e tenha mais US$ 50 de frete, pode ser tributado em até US$ 180. Todo esse percentual é destinado ao governo federal.

Além disso, alguns estados cobram ICMS sobre a mercadoria. O percentual é variável, indo mesmo da isenção até tarifas de 10% sobre o valor total já com impostos. Voltando ao nosso exemplo: o celular de US$ 250, com frete de US$ 50 e tributação de US$ 180, totalizando US$ 480, se comprado em um estado como a Bahia, que tem uma alíquota de 10% de ICMS, pode chegar a US$ 524.

Algumas mercadorias, contudo, são isentas de tributação: livros, jornais e periódicos, de acordo com o artigo 150 da Constituição Federal, e encomendas enviadas de pessoa física para pessoa física e com valor declarado inferior a US$ 50 não pagam a alíquota de 60%.

É possível escapar da tributação?

Com altos volumes, o leão tributa por amostragem

Em tese, nenhum produto que se enquadrasse nas características citadas acima deveria escapar da tributação. Entretanto, você já deve conhecer casos de pessoas que compraram pela internet produtos de alto valor e não foram tributadas. Da mesma forma, usuários com compras de preço baixos muitas vezes acabam pagando a tributação, como previsto em lei.

Isso acontece pela seguinte razão: atualmente, o volume de importações realizadas pelos brasileiros é enorme, muito maior do que o número de fiscais disponíveis para avaliar cada uma das encomendas recebidas. Assim, a solução encontrada para que os produtos não se acumulassem nos depósitos da Receita Federal foi a de realizar o processo por amostragem.

Ou seja, de cada grupo de produtos, apenas alguns são analisados e, consequentemente, tributados. Assim, ao menos nesse caso, a sorte pode estar ao seu lado e a sua mercadoria pode chegar a suas mãos sem que seja preciso pagar algum tipo de tributação. Considere como uma bonificação ou uma espécie de desconto do seu orçamento original.

Entretanto, caso sua encomenda seja pega em uma situação como essa, a mercadoria, em vez de ir para a sua casa, irá para a agência dos Correios mais próxima à sua residência. Você receberá uma correspondência informando da tributação e deverá pagá-la, direto nos Correios, para poder retirar seu material.

Conferindo o valor do tributo

Fique atento ao valor da sua tributação

Caso o seu produto seja tributado é preciso ficar atento ao valor do imposto a ser pago. A tributação pode ocorrer de duas formas distintas. A mais comum delas é quando a fiscalização se baseia no valor declarado do produto, constante na nota fiscal ou na documentação anexa. Nesse caso o imposto é cobrado sobre o valor declarado.

Contudo, pode ocorrer de o fiscal que analisa a sua mercadoria não concordar com o valor descrito na encomenda. Em casos como esses, ele é autorizado a abrir a sua encomenda e atribuir um novo valor a ela. Sobre esse novo valor é que será calculada a alíquota.

Assim, ao chegar a uma agência do Correio, verifique o valor sobre o qual você está pagando a alíquota. Caso você não concorde, é possível recorrer e pedir revisão dos valores. O mais comum é que, caso você prove o valor da compra, a alíquota cobrada incida mesmo sobre o valor original do produto.

A mesma lógica serve para desmistificar uma característica que se tornou comum entre os importadores ou aqueles que recebem muitas mercadorias do exterior. Muitos afirmam que, caso você declare o produto como gift (presente) essa alíquota acaba não sendo cobrada pela fiscalização. Essa informação não procede.

Caso o fiscal julgue necessário, ele poderá abrir a sua encomenda declarada como gift e atribuir um valor à mercadoria. Da mesma forma, para retirá-la dos Correios você precisará pagar a alíquota ou recorrer. Independente do valor final atribuído, no final das contas, você acabará tendo o produto tributado.

A carga tributária é alta. Vale a pena importar?

Pesquisa cada produto para ver se é vãlida ou não a importação

A carga tributária que incide sobre os produtos importados pelos brasileiros é alta. Reformas tributárias vêm sendo discutidas há muito tempo no Congresso Nacional e no Senado, mas é pouco provável que tenhamos mudanças significativas nesse cenário ao menos em 2011.

Porém, ainda assim, em muitos casos é válido importar produtos para o Brasil. O primeiro aspecto que você deve levar em consideração é a disponibilidade da mercadoria em questão por aqui. Caso exista um similar nacional, se colocarmos as alíquotas tributárias em um comparativo, é provável que a diferença de preços entre eles seja pouco significativa.

Todavia, produtos que não disponham de concorrentes ou modelos idênticos por aqui, podem opções interessantes de importação. Discos de Blu-ray, aparelhos eletrônicos, itens de coleção e outras mercadorias de produção limitada ou não fabricadas no país são objetos a serem considerados para compra no exterior.

Impostos sobre eletrônicos

Menos impostos podem significar aumento no volume de importações

Em recente entrevista na Campus Party Brasil 2011, o Ministro das Comunicações Paulo Bernardo declarou que estuda a possibilidade de diminuir a carga tributária sobre os tablets no Brasil. As mudanças na classificação do produto poderiam reduzir em até 30% os preços. Da mesma forma, o projeto Jogo Justo luta pela reclassificação dos games no Brasil, fato que também reduziria os preços praticados no país.

Cada produto tem as suas características específicas e, por isso, cada caso deve ser analisado em separado. O Baixaki já abordou como funcionam os impostos de eletroeletrônicos no Brasil neste artigo e, se você quiser se aprofundar no tema, vale a pena a leitura.

Entretanto, vale lembrar que mesmo aspectos técnicos de tributação ainda suscitam dúvidas entre fiscais, consumidores e juristas. Por isso, o melhor conselho é, antes de efetuar uma compra, fazer o cálculo dos possíveis impostos incidentes sobre o valor máximo possível. Se, ainda assim, a compra valer a pena ou justificar a necessidade, siga em frente sem medo.

..... 

Você costuma fazer compras internacionais pela internet com frequência? Já enfrentou algum problema relacionado com a tributação de mercadorias? Participe deixando seus comentários sobre as suas experiências em importações.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!