Quando os créditos iniciais de um filme começam e salta na tela a informação de que aquilo é "baseado em fatos reais" — ou quando uma produção já se vende como uma cinebiografia —, você logo fica animado e preparado para ter uma verdadeira aula de História na telona.

Porém, o cinema é só uma forma de contar algo, e o entretenimento muitas vezes é colocado em primeiro plano, resultando em uma série de alterações da realidade para deixar a produção com mais ritmo, ação, conflitos e por aí vai. Mostrar o que é respeitado e o que virou "coisa de cinema" é o objetivo do site Information is Beautiful.

Ele compila a porcentagem de cinebiografias e filmes sobre acontecimentos reais para mostrar o quanto da trama é realmente precisa e bate com o que aconteceu. E o trabalho é grande: a página faz isso praticamente cena a cena, colocando a projeção em conflito com dados reais.

"O Jogo da Imitação", por exemplo, é só 35,7% real. A cena em que a equipe de Alan Turing (Benedict Cumberbatch) descobre sobre o ataque contra o HMS Carlisle e decide não interferir para não entregar que a informação foi interceptada só aconteceu parcialmente: o navio era antiaéreo e estava no Mediterrâneo, não no Atlântico, e não havia um membro da equipe de Turing com um irmão a bordo.

Já "A Rede Social" é bem mais realista, com 71,1% de precisão. Um dos erros está já nas cenas iniciais: Zuckerberg (Jesse Eisenberg) namorava e brigava uma tal "Erica" que... não existiu. Na época, ele e a atual esposa, Priscilla Chan, já estavam juntos.

Clique aqui para acessar o site e ver as comparações de "Ponte de Espiões", "Rush - No Limite da Emoção", "O Discurso do Rei", "O Lobo de Wall Street" e outros.