Conhecida como uma das mais respeitadas marcas de relógios do mundo, a Casio vem se destacando por seus modelos que mesclam design clássico com recursos inovadores. O TecMundo já testou dois produtos da empresa – o G’MIX GBA-400 e o Edifice Time Traveller EQB-510, que conseguem se conectar ao seu smartphone via tecnologia Bluetooth.

Desta vez, tivemos a oportunidade de passar alguns dias com o GPW-1000, que foi lançado internacionalmente no fim de 2014 e chegou recentemente às gôndolas brasileiras. Integrante da série G-SHOCK Gravitymaster, o aparelho não é para qualquer um: seu preço varia de R$ 5,1 mil até R$ 6 mil nas lojas virtuais que o oferecem à pronta-entrega.

Esse valor elevado é um reflexo da tecnologia de ponta embutida no dispositivo – o GPW-1000 é o primeiro relógio do mundo que trabalha com ondas de rádio de satélites GPS e antenas terrestres (recurso que a Casio chama de Hybrid Wave Ceptor). Com isso, ele consegue descobrir a localização do usuário e ajustar o horário automaticamente. Será que vale mesmo a pena investir tanto dinheiro no modelo? Leia a nossa análise completa e descubra a nossa opinião.

Design do produto

O GPW-1000 segue a mesma identidade visual da linha G-SHOCK – e isso é uma ótima notícia para quem gosta de relógios com um visual mais robusto. O modelo é grande, relativamente pesado (126 gramas) e impõe respeito. Sua pulseira é feita de resina, e o visor é de cristal de safira, material conhecido por ser resistente a riscos e impactos. A estrutura interna da caixa é revestida com αGEL, um material gelatinoso feito para absorver impactos.

Embora o modelo seja equipado com uma luz LED Super Illuminator, os ponteiros e marcadores de horas são produzidos em material fosforescente, emitindo um forte brilho esverdeado em ambientes escuros. Outro detalhe que chama atenção é o botão giratório, que é muito confortável de ser manuseado e possui um útil sistema de trava para impedir que você faça operações sem querer.

Até a embalagem do produto impressiona – ele vem protegido em uma elegante caixinha rígida, devidamente preso em uma almofada negra. Em um recipiente separado, o consumidor encontra um manual de instruções multilíngue gigantesco (sendo que 92 páginas são reservadas ao português), além do cartão de garantia e de outros folhetos informativos. Acredite, vale a pena dar uma lida no guia, já que o relógio possui algumas particularidades de operação.

GPS e ondas de rádio: entendendo o conceito

Como dissemos anteriormente, o GPW-1000 é um relógio híbrido, recebendo tanto ondas de rádio via satélite quanto de bases terrestres. Quando um serviço não está disponível, o outro é utilizado. Com essa combinação imbatível, a Casio conseguiu criar um dos relógios mais precisos do mundo, que identifica automaticamente onde o usuário está e ajusta os ponteiros para o fuso horário correto (detectando inclusive se aquela região está em horário de verão).

O ajuste via satélite GPS é o principal, mas exige que o usuário esteja em uma área aberta para funcionar corretamente. Já as ondas de rádio terrestre são emitidas em seis estações espalhadas pelo mundo (uma na Alemanha, uma no Reino Unido, uma nos Estados Unidos, uma na China e duas no Japão) e apropriadas para ambientes internos, já que conseguem penetrar em paredes e atingir seu relógio mesmo quando você estiver dentro de edifícios.

Para fazer o ajuste das horas manualmente, basta pressionar e segurar o botão localizado no canto inferior direito do mostrador. O ponteiro dos segundos se move até a marcação “T+P” enquanto o aparelho tenta identificar sua localização atual. Em nossos testes, tivemos dificuldade de obter sinal (tanto de satélite quanto de ondas terrestres) em ambientes fechados, sendo necessário realizar o procedimento em áreas abertas com o mínimo de interferência.

Ainda assim, trata-se de um recurso sensacional, especialmente quando você descobre que o GPW-1000 consegue realizar esse ajuste de forma automática – ele faz uma verificação durante a madrugada ou pela manhã, garantindo que a indicação do horário esteja sempre correta. Isso é uma mão na roda para quem viaja muito e não gosta de ficar acertando seu relógio manualmente sempre que entra ou sai de outro país.

Experimentando os recursos

O GPW-1000 também é equipado com outras funcionalidades presentes em relógios top de linha, com o diferencial de contar com um indicador que lhe avisa em qual modo o aparelho está operando no momento. Há um cronômetro (ST), um timer (TR) e um despertador (AL), além do modo avião, que deve ser ativado sempre que você entrar em uma aeronave (caso contrário, os sinais de GPS e de rádio podem causar interferências).

É simples alternar entre todos esses recursos, bastando pressionar um determinado botão e observar a seta indicadora navegar pelas marcações. No modo de visualização de horas, esse mesmo dardo fica apontado para o dia atual da semana; durante o procedimento para ajuste do horário, ele indica a latitude aproximada de sua localização. Por mais que pareça apenas um adereço decorativo, tal seta é muito útil para você não se perder na troca de modos.

Outra função bacana do GPW-100 é a visualização de hora mundial. É só puxar a coroa e rodá-la para selecionar um dos 40 fusos horários demarcados no anel exterior. O usuário ainda pode configurar o aparelho para que seu segundo relógio (pequeno, no formato de 24 horas) exiba o horário de uma cidade de sua escolha. Esse mostrador complementar também é usado no timer (indicando minutos e horas) e cronômetro (indicando segundos e minutos).

Durabilidade e bateria

Os relógios da linha G-SHOCK são conhecidos por sua resistência absurda, e o GPW-1000 não foge dessa regra. Ele possui a certificação Triple G Resist, selo criado pela própria Casio para identificar os modelos cujas estruturas foram projetadas para aguentar três tipos de choques: queda, força gravitacional centrífuga e vibração. Deixamos o modelo cair no chão algumas vezes, e os impactos sequer arranharam o dispositivo. O GPW-1000 também é à prova de água, sendo possível submergê-lo em até 200 metros sem problema nenhum.

A bateria é recarregável via energia solar, e basta mantê-lo exposto à luz do sol ao ar livre (50 mil lux) durante oito minutos para garantir um perfeito funcionamento diário. Sem essa exposição, o aparelho consegue sobreviver por até sete meses. Graças a tecnologia proprietária Tough Solar, a luz emitida por lâmpadas fluorescentes também é capaz de recarregar o relógio, mas são necessárias oito horas de captação para ter o mesmo resultado de oito minutos na luz do sol.

Vale a pena?

Como dissemos anteriormente, o GPW-1000 é um relógio para poucos. O preço do modelo aqui no Brasil é um tanto proibitivo – só quem realmente é fã de relojoaria está disposto a pagar R$ 6 mil em um dispositivo desses. Por outro lado, é inegável que o produto é uma verdadeira obra de arte da engenharia moderna. Você não estará apenas usando um relógio de pulso, mas sim usufruindo de um gadget que se comunica com satélites de GPS e estações de rádio espalhadas ao redor do mundo inteiro, combinando mecanismos analógicos e digitais em uma só peça de luxo.

É inegável que o produto é uma verdadeira obra de arte da engenharia moderna

O ajuste automático é um recurso muito útil. Por mais que ele exija que o usuário esteja em um ambiente aberto para funcionar perfeitamente, ele é a garantia de que o horário de seu relógio sempre estará correto. O visual do GPW-1000 é um show à parte, tal como sua durabilidade absurda e a alta capacidade da bateria. Junte isso aos recursos secundários – cronômetro, timer, alarme e hora mundial –, e você terá um dos melhores relógios já feitos pela Casio.

Este não é um modelo para quem procura recursos comumente encontrados em wearables como o Apple Watch ou um Moto 360, mas sim para quem se sente atraído pela beleza única dos relógios analógicos com um toque de modernidade. Em suma, tudo depende do seu perfil como consumidor: se você viaja com frequência, é apaixonado por relojoaria e tem um poder aquisitivo superior, o GPW-1000 pode ser um investimento interessante.