Arrumar ou comprar um novo? O que fazer se o notebook apresentar problemas?

Qual a melhor opção quando seu notebook der problema, comprar um novo ou mandar consertar? Tudo depende.
  • Visualizações9.210 visualizações
Por Elaine Martins em 20 de Março de 2009

Comprar um notebook foi, por alguns anos, um privilégio de poucos e o sonho de consumo para muitos, principalmente para pessoas ligadas à tecnologia. Hoje os computadores portáteis estão muito mais acessíveis e já superam os desktops no número de vendas.

Embora os notebooks sejam acessíveis, componentes para eles são, na maioria das vezes, mais caros do que para máquinas desktop. A assistência técnica também costuma ter um valor mais elevado.

Infelizmente, como todo aparelho eletrônico, depois de um tempo usando o PC é preciso trocar ou fazer uma manutenção. Às vezes, antes mesmo de vencer a garantia o aparelho já apresenta problemas. E é aí que começam as indagações. Afinal de contas, vale ou não a pena mandar seu notebook de guerra para o conserto? Bom, a resposta para esta pergunta, como você mesmo deve ter pensado, é: depende!

Conserta ou compra um novo?

Depende? Mas do quê?

A primeira coisa a se levar em conta é, obviamente, qual será o custo que cada opção terá. Há quem diga que: se o conserto do computador for superior ao valor de uma máquina nova (de configurações equivalentes), vale mais a pena comprar um notebook novo.

Quebrando o porquinho!Realmente, dependendo do problema apresentado pela máquina, o conserto não sai muito barato, principalmente se for preciso comprar novas peças. Então, pode ser que valha a pena comprar uma máquina zerada. Quais as vantagens disso?!

Comprar um notebook novo

Comprando uma máquina nova, você ganha, pelo menos, doze meses de garantia, o que significa menos dores de cabeça caso o produto apresente defeitos no primeiro ano de uso. Além disso, uma máquina mais atual traz alguns benefícios extras como, por exemplo, o peso. A cada modelo que é lançado, o peso dos portáteis diminui de maneira expressiva.

Outras melhorias extras são o tamanho, cada vez menor, e o tempo de duração da bateria, que aumentou significativamente nos últimos modelos. No entanto, vale lembrar que mesmo notebooks novos e das melhores marcas podem dar muita dor de cabeça.

Você deve estar se perguntando: “Tá, mas e se o preço do conserto não for maior que o de uma máquina nova? A melhor opção então é mandar arrumar?”.

Consertando

A resposta para a pergunta acima é: “Não necessariamente” :P. Calma, eu explico. O fato de reparar os problemas da máquina não significa que você está livre de complicações. Embora as empresas de assistência sejam obrigadas por lei a dar garantia de três meses pelo serviço prestado, problemas diferentes podem surgir, e aí a garantia não cobre.

Consertar também pode valer a penaÉ a velha história do vaso quebrado. Por mais que você o cole, nunca voltará a ser como antes, e outras partes podem quebrar em consequência da primeira. A “idade” do computador também é um fator relevante para ajudar você a decidir se vai ou não mandar consertar seu precioso PC. Ficar sofrendo com peças de museus também não é algo muito divertido.

Para máquinas mais populares, utilizadas em sua maioria por usuários domésticos, o tempo para que elas se tornem obsoletas varia entre dois e três anos.

Há ainda o fator de confiança na máquina. Quem nunca teve problemas com o notebook, como eu que uso a mesma máquina há um ano e meio, com certeza vai pensar muito antes de comprar um novo. Afinal de contas, mesmo os computadores das marcas mais famosas podem dar problemas e dores de cabeça. Então, por que trocar o certo pelo duvidoso?

Caso perdido

É claro que existem aqueles casos em que não há o que fazer para reparar o problema. Ou então quando o estrago é tão grande que não compensa tentar arrumar. Aí sim, a melhor saída é comprar notebook novo.

Se o estrago foi muito grande, nem vale a pena

ANALISE

Veja algumas dicas do que analisar para tomar a decisão mais acertada quando o assunto é manutenção x comprar um novo.

É mesmo relevante?

Um HD estragado, um monitor quebrado, placa de mãe com defeito, etc. são problemas que não permite o uso do notebook de forma alguma. Claro que uma entrada USB com defeito ou ficar sem drive de DVD não é nada legal, mas sem eles o computador ainda está funcionando. Por isso, analise bem a relevância dos problemas para não acabar desembolsando uma grana (às vezes uma boa grana) sem a real necessidade.

Na hora de comprar, peça uma mãozinha

Mesmo que você entenda um pouco do hardware e configurações de computadores, é sempre bom pedir uma ajuda para aquele seu amigo que manja tudo do assunto. Se possível leve este amigo para dar uma volta pelas lojas com você na hora de comprar o computador. Ouvir a opinião de uma pessoa entendida do assunto é melhor do que você “achar” que você fez um bom negócio e sair prejudicado, não acha?

Peça uma mãozinha!

Uma segunda opinião

Caso resolva mandar seu computador para o conserto, sempre peça a opinião de mais de um técnico em manutenção. Muitas empresas fazem orçamentos sem compromisso. Não custa ter certeza de que o problema apresentado e o valor cobrado para arrumar é realmente aquele que foi dito.

Previna-se

Fique atento às reclamações do seu computadorNem todos os defeitos são previsivos o avisam quando estão chegando, mas alguns são evidentes. Caso note alguma coisa fora do normal em seu computador, procure uma assistência para avaliação. Não espero o probleminha virar um problemão, assim você economiza e previne dores de cabeça ainda maiores.

Para finalizar

É difícil dizer qual a decisão certa a ser tomada. A melhor coisa a se fazer é pesar as vantagens e desvantagens nos dois casos (consertar ou comprar outro notebook) e ver para qual lado a balança pende mais. Só fique atento para não ser enganado por vendedores e técnicos que só querem ganhar dinheiro.

Bom pessoal, é isso! Espero que vocês tenham gostado do artigo e que ele tenha sido de alguma valia! Um abraço e até a próxima!



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!