Cubo holográfico absurdamente pequeno pode aniquilar os HDs e SSDs

Nova tecnologia de armazenamento já é realidade: empresa cria cubo de 1 cm com capacidade de 1,2 TB.
  • Visualizações40.102 visualizações
Por Roberto Hammerschmidt em 10 de Fevereiro de 2012

Cubo holográfico absurdamente pequeno pode aniquilar os HDs e SSDs (Fonte da imagem: Keol)

A memória holográfica oferece a possibilidade de armazenar 1 terabyte de dados dentro de um cristal do tamanho de um cubo de açúcar. Mas o custo elevado sempre foi um entrave no seu desenvolvimento. Agora, uma empresa chamada AON afirma ter desenvolvido um cubo de armazenamento holográfico de 1,2 TB, com poder de transferir dados a mais de 155 MB/s.

Segundo a empresa, foi usado um material fotorefrativo na composição do produto. O custo é relativamente baixo: entre US$ 0,11 e US$ 0,83 por gigabyte. De acordo com um gráfico divulgado pela Laser Focus World, o valor é muito mais baixo que o de qualquer outro tipo de mídia de armazenamento.

A Channel Register afirma que a AON ainda está aprimorando a tecnologia e poderá desenvolver cubos com capacidades ainda maiores de armazenamento, chegando a incríveis 9,6 TB, aumentando a taxa de transferência para valores quase surreais: 1,24 GB/s.

A tecnologia do futuro?

Os sistemas de armazenamento holográfico funcionam de forma similar a CDs e DVDs, porém, com a capacidade de operar (ler e gravar dados) por dentro da mídia; não apenas na sua superfície. O armazenamento é feito de forma tridimensional, sendo capaz de guardar mais informações em um espaço menor, além de oferecer um tempo mais curto de transferência de dados.

A tecnologia foi proposta em 1960 por Pieter J. Van Heerden, cientista da Polaroid. Porém, os custos e a clara falta de vantagens sobre mídias de armazenamento concorrentes evitaram que a tecnologia fosse desenvolvida.

Glenn Gladney, CEO e presidente da AON, diz que está procurando parceiros estratégicos para colaborarem com a empresa de forma que ela possa concluir o desenvolvimento de sua tecnologia. Por favor, parceiros, colaborem.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!