Ainda que os jogos de computadores apresentem gráficos estonteantes, os experts da área — e até mesmo boa parte do público — sabem que os títulos para PCs vêm evoluindo em um ritmo lento.

Se não tivéssemos iniciativas como o AMD Mantle e o DirectX 12, a tendência era de continuar na mesma trilha. Felizmente, as coisas vêm mudando, algo que parte principalmente das fabricantes de placas de vídeo.

O GPUOpen é uma dessas iniciativas que pretendem deixar o mercado mais interessante, tanto para os jogadores quanto para os desenvolvedores. O projeto foi anunciado no ano passado como um concorrente do NVIDIA GameWorks para levar gráficos mais bonitos aos jogos.

Um novo mundo de jogos no PC

A ideia desses projetos é colocar a informação nas mãos dos desenvolvedores, que podem ter acesso completo aos chips gráficos e, assim, extrair toda a performance possível e criar jogos com visuais ainda mais impressionantes. É incrível perceber que, mesmo o PC tendo um poder computacional absurdo, ele não consegue ter experiências tão melhores do que os consoles.

“A Fury X é uma máquina de oito teraflops. O PS4 é uma máquina de dois teraflops. É quatro vezes mais poder computacional em uma única Fury. Você pode montar um PC com duas placas Fury, mas o PC não te dá uma experiência tão melhor, porque os desenvolvedores podem extrair mais performance em um console”, comentou Raja Koduri recentemente em entrevista ao site VentureBeat.

De acordo com o site oficial do GPUOpen, o projeto nasceu graças ao surgimento do Radeon Technology Group, liderado por Raja Koduri. A nova estruturação na AMD levou a equipe a visualizar novos horizontes e mirar em um futuro que pode ser realmente fantástico.

Quais são os objetivos do GPUOpen?

O GPUOpen é focado em duas principais áreas: Jogos e Computação gráfica (para criação de games em geral e diversos tipos de conteúdo de entretenimento) e Computação Profissional (pensando nas aplicações profissionais usadas no mercado). O projeto é baseado em três aspectos principais:

  • Fornecer códigos e documentação para os desenvolvedores obterem controle sobre a GPU. As atuais e futuras arquiteturas GCN (como a Polaris) têm recursos que não estão expostos nas APIs, então o GPUOpen dará esse poder aos desenvolvedores. Esse nível avançado de acesso vai habilitar o porte dos consoles (Xbox One e PS4) para o PC.
  • Comprometimento com a comunidade open source. Desenvolvedores de jogos e gráficos são muito ativos e gostam de compartilhar conhecimento. Acesso total e flexível à fonte das ferramentas, a bibliotecas e efeitos é um dos pilares da filosofia do GPUOpen. O objetivo é encorajar inovação e desenvolvimento com técnicas e otimizações para os jogos de PC.
  • Engajamento na colaboração com a comunidade de desenvolvedores. O GPUOpen é um software hospedado em repositórios de código aberto, como o GitHub, com o objetivo de melhorar o compartilhamento e a colaboração. Engenheiros de diferentes especialidades vão fazer postagens sobre vários tópicos relacionados às GPUs, às tecnologias e à indústria.

Por desenvolvedores para desenvolvedores

Por fim, vale mencionar que o objetivo do GPUOpen é manter o projeto focado no desenvolvimento, com o mínimo de elementos quanto à parte de marketing.

Hoje é o nascimento do GPUOpen e ele tem um longo caminho pela frente, mas muito conteúdo será adicionado nos próximos meses, sendo que a jornada será planejada de acordo com o feedback dos desenvolvedores.

Para obter mais informações, você pode acessar o site oficial do GPUOpen clicando aqui.