A Amazon tem alguns produtos estranhos e outros bons, mas nenhum dos eletrônicos da empresa contam com processadores próprios, que são sempre terceirizados de outras companhias, como a MediaTek. Contudo, essa situação pode estar prestes a mudar, pois a gigante do varejo começou a desenvolver os seus próprios núcleos ARM da linha Alpine – arquitetura utilizada em dispositivos menores.

No ano passado, a Amazon adquiriu uma empresa israelense chamada Annapurna Labs.  Recentemente, esse laboratório de desenvolvimento anunciou o início da produção na última quarta-feira (6), um ano após ser comprada por US$ 350 milhões (R$ 1,4 bilhões).

Processadores potentes para dispositos menores

De acordo com a companhia, os chips são voltados para roteadores WiFi, dispositivos de streaming, produtos inteligentes (como geladeiras smart, por exemplo) e equipamentos de armazenamento de dados. Além disso, a gigante do varejo disse que algumas companhias, como a ASUS, já estão utilizando os processadores em alguns produtos.

A linha Alpine carrega até quatro processadores e diversos elementos voltados para conexões sem fio, algo que pode ser ideal para aparatos de baixo consumo de energia, ou seja, que também contam com baixo poder de processamento. Segundo relatos, a nova tecnologia da Amazon deve suprir apenas o mercado mobile, pois a companhia não teria interesse em disputar diretamente com a Intel no ramo de desktops.

Você acha que a Amazon pode ser uma grande concorrente no mercado de processadores? Comente no Fórum do TecMundo

Ainda não está claro se a gigante do varejo pensa em terceirizar essa tecnologia ou utilizá-la em produtos internos, da mesma forma que aconteceu em 2012, quando ela comprou a Kiva, uma empresa de robótica, e aplicou a nova aquisição para modernizar os seus estoques com um exército de robôs.