Calcule o estrago que uma bomba atômica faria em sua cidade

Aplicativo online mostra através do Google Maps qual seria o raio de explosão de diferentes bombas atômicas em sua cidade, no caso de um ataque nuclear.
  • Visualizações37.397 visualizações
Por Beatriz Smaal em 14 de Março de 2011

Destruição da primeira Bomba H, caso ela caísse na cidade de São Paulo

Qualquer pessoa com acesso à informação tem gravada na memória a imagem da explosão de uma bomba atômica, seja a de Hiroshima ou Nagasaki. Porém, é difícil imaginar o que aconteceria se uma ogiva similar caísse em sua própria cidade ou país, ou ainda se uma bomba ainda mais poderosa “resolvesse” pousar em sua vizinhança.

Agora você não vai mais imaginar, mas sim visualizar o impacto que um dispositivo desse faria em sua cidade, com a ajuda de um aplicativo online chamado Ground Zero. Usando o Google Maps como base para decidir o local inicial de impacto, você pode conferir até onde chega o estrago de diferentes bombas nucleares, caso elas caíssem no Brasil.

Para isso, selecione sua cidade no mapa, da mesma forma que você usa o Maps todos os dias. A seguir, escolha entre as diversas bombas disponíveis por ali, de acordo com a potência que você quer visualizar.  Além das bombas usadas no Japão (que, por sinal, estão entre as mais fracas), você pode escolher outros modelos mais violentos, capazes de arrasar mais do que uma cidade inteira. Clique em “Nuke It!” para completar o processo.

O Fallout, ou alcance das partículas nocivas, após seis horas

Porém, se você acha que apenas ogivas nucleares não são suficientes para sua sede de destruição, o programa conta ainda com a possibilidade de conferir o raio de ação de um asteroide (o mesmo que supostamente dizimou os dinossauros) e o que ele pode causar ao cair sobre a Terra.

Além do alcance térmico, o aplicativo em JavaScript ainda mostra a pressão e a chuva radioativa decorrente seis horas após o impacto, dando a você uma visão geral da catástrofe, por todos os ângulos. O Ground Zero pode também ser visualizado em iPad, iPhones e dispositivos Android por meio deste link.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!