Cérebro apaga informações a uma velocidade maior do que a esperada

Pesquisas mostram que o cérebro deleta dados a uma taxa extremamente alta.
  • Visualizações9.533 visualizações
Por Elaine Martins em 1 de Fevereiro de 2011

Neurônios

O avanço e a popularização da tecnologia trouxeram as informações para mais perto dos usuários. Com apenas um clique do mouse, você consegue saber o que está acontecendo em qualquer lugar do planeta. E o mais interessante é que os dados podem ser acessados a partir de qualquer dispositivo que permita se conectar a internet.

A quantidade de informações que acessamos é tão grande que o cérebro precisa filtrar o que ele considera importante e apagar os dados inúteis. Embora esse mecanismo de seleção não seja nenhuma novidade para os cientistas, pesquisas recentes revelam que taxa com a qual o cérebro humano apaga informações é extramente alta.

A pesquisa

Os times de pesquisadores de dois institutos da Alemanha conseguiram responder a uma pergunta que há tempos assombrava o cérebro de muitos cientistas. Afinal, qual a velocidade com a qual o cérebro “esquece” as informações? A resposta é simples: um bit por neurônio ativo por segundo.

1 bit por neurônio ativo por segundo!

Por exemplo, se você tiver dois neurônios ativos, em um segundo seu cérebro irá esquecer 2 bits de informações (1 bit para cada neurônio). Agora imagine que a massa cinzenta possui centenas de milhares de neurônios ativos a cada segundo. É muita informação sendo deletada ao mesmo tempo.

Segundo os pesquisadores, a velocidade extremamente alta com a qual o cérebro apaga os dados foi uma grande surpresa. Isso significa que perdemos informação tão rápido quanto conseguimos reuni-las e processá-las.

Estou perdendo a memória?

Não, a memória de longo prazo não é afetada por esse apagão em massa. Além disso, as informações são armazenadas na memória ou apagadas depois de selecionadas, então você não corre o risco de “perder” informações importantes.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!