Mídias de armazenamento: 50 anos de história

Descubra o que mudou nas tecnologias de transporte de músicas, fotos e dados nos últimos 50 anos.
  • Visualizações39.550 visualizações
Por Renan Hamann em 15 de Dezembro de 2009

Você já parou para pensar no que poderia ser armazenado em um disco rígido de 5 MB? Uma música? Alguns textos? Nada muito importante. Sim, é difícil imaginar a vida cotidiana sem pensar em gigabytes e terabytes, mas há 50 anos, era assim que o mundo da informática vivia: baseado em 5 megabytes de espaço em disco.
 
O ano exato era 1956 e a IBM havia acabado de lançar o então moderníssimo IBM 305 RAMAC, um computador nada portátil que pesava algo em torno de 1 tonelada (1000 Kg). De lá para cá, muita coisa mudou, é óbvio, e o que o usuário mais tem percebido – mesmo analisando apenas os últimos dez anos – é a relação inversamente proporcional entre tamanho e capacidade.

Agora o portal Baixaki traz ao usuário algumas informações muito interessantes acerca da história das mídias de armazenamento, tanto no campo musical, quanto nos campos fotográfico e digital, relembrando os principais dispositivos criados para o carregamento de dados e também algumas curiosidades sobre esses elementos tecnológicos.

A História do armazenamento

Da cera ao iPod...
Hoje é difícil conhecer alguém que não possua um MP3 player ou qualquer outro reprodutor digital de mídias: 2 GB, 4 GB...Isso parece pouco em alguns momentos, as mídias armazenam horas e mais horas de canções sem repetições, mas isso nem sempre foi assim, há muito tempo a história era bem diferente.

Um dos primeiros formatos de mídia musical, o cilindro fonográfico, inventado por Thomas Edison, era composto de estanho e podia ser reproduzido apenas três ou quatro vezes. Devido à pouca durabilidade foi criado um outro cilindro, de cera, que durava mais e possuía maior qualidade.

Os saudosos discos de vinilEm 1895, os cilindros foram substituídos por discos de goma-laca, que eram tocados em 78 rotações, possuíam mais potência sonora e armazenava até 44 minutos de músicas.

Já no século XX, na década de 30, foi criado o sistema de gravação em bobinas, ou fitas de rolo, ou seja, fitas plásticas que podiam guardar os áudios de maneira eficiente para a época. Tendo em média 16 cm de diâmetro, as bobines foram inspiração para a posterior fita cassete, que tinha a grande vantagem de ser extremamente portátil e podia tocar até uma hora inteira.


Dos discos que passaram a ser produzidos em vinil até as fitas magnéticas, muito tempo passou, até que em 1982 os primeiros CDs começaram a ser comercializados. Eles possuíam a vantagem de serem gravados digitalmente, possibilitando melhores equalizações e, por consequência, maior qualidade na reprodução, que chegava a 80 minutos.

Hoje, o que impera no mundo da música é o iPod (e alguns outros tocadores de mídia digital), pois a capacidade de armazenamento é gigantescamente superior. Um iPod de 120 GB pode guardar o tempo de reprodução equivalente ao de 3829 discos de vinil; 3663 minidiscs; 2808 fitas cassete ou 2106 CDs.
Das câmeras instantâneas ao cartão de memória...
No século XX houve a expansão dos mercados consumidores e as câmeras fotográficas começaram a fazer parte da vida cotidiana de muitas pessoas, mesmo das que não faziam parte da elite. Logicamente o sucesso não foi algo rápido, sendo gradativamente alcançado. Durante anos, as câmeras de foto instantânea imperaram no imaginário popular, até que as primeiras câmeras com filme de revelação posterior foram lançadas.

A maioria dos filmes podia armazenar entre 12 e 36 fotos que, em seguida, seriam reveladas e lotariam os álbuns fotográficos que suportavam cerca de 100 fotos e ocupavam algo em torno de 800 cm³ nos armários das famílias.

Álbuns de fotos

Se esses álbuns forem comparados aos primeiros disquetes, já se pode começar a perceber o quanto a digitalização facilitou o armazenamento das fotografias, pois um disquete de 3,5 polegadas poderia guardar até 50 fotos em baixa resolução.

Isso era só o começo, afinal um disquete tinha capacidade de apenas 1,44 MB. Já pensando em mídias mais modernas, como flash drives e cartões de memória, acoplados às câmeras digitais que já não são mais alimentadas por filmes químicos, e sim por memória eletrônica, a comparação parece ainda mais absurda.

Um cartão de memória SD (Secure Digital) ou mSD (Micro Secure Digital) pode chegar a armazenar até 4000 fotos nos 2 GB de memória interna, sem chegar a ocupar espaço físico significativo.

Pensando em uma unidade de armazenamento de 120 GB, o acervo de fotografias poderia chegar a 31 mil fotos, ou então a um disco rígido de 2 Terabytes, em que 680 mil fotos poderiam ser guardadas, o equivalente a 6800 álbuns de fotografias; 28 mil filmes e mais de 1 milhão de disquetes.Do RAMAC ao pendrive...
Como contado no início do artigo, há pouco mais de 50 anos eram necessários computadores de mais de uma tonelada para que o armazenamento de 5 MB fosse possível. O tempo passou, os computadores foram diminuindo e as capacidades aumentando de maneira inversamente proporcional.

Já foram lançados discos rígidos de 200 MB a 2 TB e não param de surgir novos modelos. É difícil imaginar o que seria dos usuários hoje, com menos de 80 GB, assim como é impossível pensar em como seria o mundo da informática de 50 anos atrás, se já houvesse a memória de terabytes.

Discos rígidos

Mas talvez o maior trunfo já atingido pela indústria da informática esteja na mídia portátil. Assim como nos dispositivos fixos, os avanços tecnológicos nos armazenadores portáteis diminuíram as dimensões e aumentaram exponencialmente as capacidades de memória.

Até os anos 80, o famoso “disquetão” de 5,25 polegadas e 1,2 MB era o mais usado para transportar dados de um computador a outro. Pouco tempo depois foi lançado o disquete de 3,5 polegadas e 1,44 MB, que tinha mais vantagem pela estabilidade (os “disquetões” estragavam com uma facilidade incrível) do que pela memória em si.

O tempo passou e os computadores pessoais passaram a ser vendidos com drives leitores de CDs, que possuíam 700 MB, o que representava uma enorme capacidade de memória, se comparados com os disquetes, que ainda não haviam sido abandonados, devido aos preços altíssimos dos gravadores de CD. Quando estes tornaram-se populares, as pequenas unidades flexíveis de 1,44 MB foram sendo gradativamente deixadas de lado.

Mas os avanços tecnológicos não pararam por aí. Em 1996, exatos 40 anos após o surgimento do RAMAC, foi lançada uma nova mídia muito semelhante aos discos compactos: era o DVD (Digital Versatil Disc), que podia armazenar até 4,7 GB e, posteriormente, com o DVD de camada dupla, 8, 5 GB.

Chegam a 2 TB

Desenvolvido numa parceria entre Toshiba, Philips e Sony, o DVD foi popularizado como uma mídia cinematográfica, pois a funcionalidade mais explorada pela indústria foi justamente a de reprodução de filmes. Sendo assim, além dos CDs, o DVD também foi o algoz de outra mídia muito importante para a história da tecnologia, as fitas VHS.

Quando os 8,5 GB começaram a ser pouco para tanta qualidade gráfica, a indústria cinematográfica ganhou um novo parceiro: o Blu-ray. Lançado oficialmente em 2006, foi a primeira mídia a suportar resoluções altíssimas e áudio de alta qualidade em discos únicos.

Os discos Blu-ray podem possuir 25 GB ou 50 GB (quando de camada dupla), sendo pouco utilizados para transporte de dados, já que o processo de gravação é um pouco demorado e a qualidade é idêntica à de DVDs.

Os dispositivos que mais cresceram nos últimos anos, exclusivamente pela capacidade, facilidade e velocidade no transporte de dados, foram os pendrives, que outrora foram limitados aos 32 MB de memória e hoje já chegam a armazenar mais de 128 GB, sendo as mídias portáteis mais eficientes da atualidade. Em questões de memória, ficam atrás apenas dos discos rígidos, que podem armazenar terabytes.

PendrivesUm pendrive de 128 GB pode ser comparado (em questões de capacidade interna) com: 28 DVDs; 187 CDs; 91 mil disquetes de 3,5 polegadas ou 109 mil disquetes de 5,25 polegadas. Um disco rígido de 2 TB pode armazenar o conteúdo de 17 pendrives desses.

Além disso, outra forma de transportar dados de forma segura – mesmo que não tão portátil – é através do uso de HDs externos. Eles geralmente são acoplados a gavetas externas e conectados aos computadores através de cabos USB.

Por enquanto o processo de transferência de arquivos é um pouco lento, pois a velocidade de resposta dos USBs é limitada, mas num futuro próximo - com o surgimento de tecnologias como o Light Peak - o processo pode ser bem mais veloz.

Até aonde iremos chegar?
Analisando a enorme evolução tecnológica que ocorreu nos últimos 50 anos, surge uma dúvida que é recorrente às mentes humanas: em 1956, uma tonelada armazenava 5 MB, hoje 2 milhões de MB podem ser armazenados em menos de 100 g. Até onde isso poderá evoluir? Chegará um dia em que as mídias serão ainda mais reduzidas? Ou a internet ficará tão rápida que não serão necessários os transportes físicos? Deixe sua opinião.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!